Conteúdo publicado há 4 meses

Desenrola: Proporção de famílias endividadas tem 1ª queda desde novembro, mostra CNC

A proporção de famílias endividadas no País saiu de 78,5% em junho para 78,1% em julho, queda de 0,4 ponto porcentual, primeiro recuo desde novembro de 2022. Como resultado, o volume de endividados desceu ao menor nível desde janeiro deste ano. Os dados são da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, divulgados pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

"O Programa Desenrola, medida do governo federal que iniciou em julho, propôs a renegociação de dívidas bancárias de pessoas com renda entre R$ 2,6 mil e R$ 20 mil. Isso fez com que a proporção de endividados na classe média diminuísse em julho", justificou a CNC, em nota.

No grupo com renda familiar de três a cinco salários mínimos mensais, a fatia de endividados caiu 0,7 ponto porcentual, passando de 79,3% em junho para 78,6% em julho, menor nível desde junho de 2022. Na faixa de renda de cinco a dez salários mínimos mensais, também houve queda de 0,7 ponto porcentual na proporção de endividados, que recuou de 78,1% em junho para 77,4% em junho, a menor desde janeiro deste ano.

No grupo mais rico, que recebe mais de dez salários mínimos mensais, a proporção de endividados ficou estável em 74,9%. Já entre os mais pobres, com renda familiar até três salários mínimos, a fatia de endividados cresceu 0,2 ponto porcentual, de 79,2% em junho para 79,4% em julho.

"Os consumidores com até 2 salários mínimos com CPF negativado por conta de dívidas de até R$ 5 mil são o público priorizado pelo Desenrola, mas a operação do programa para esse grupo começa somente em setembro", ponderou a nota da CNC.

Segundo a economista Izis Ferreira, responsável pela pesquisa da CNC, a proporção de endividados no País deve ficar próxima a 77% em setembro, quando o Desenrola chegar ao público com renda de até dois salários mínimos.

"A CNC estima que a proporção de consumidores endividados amplie o ritmo de queda nos próximos meses", apontou Ferreira, em nota oficial. "No entanto, a previsão é que o índice volte a crescer no fim do ano, encerrando 2023 com cerca de 78% do total de famílias com dívidas", completou.

Inadimplência avança

Na contramão do endividamento, a proporção de inadimplentes cresceu 0,4 ponto porcentual na passagem de junho para julho, de 29,2% para 29,6%. No grupo mais pobre, com renda até três salários mínimos, a fatia de famílias com dívidas em atraso subiu de 37,0% em junho para 37,3% em julho.

Continua após a publicidade

No grupo que recebe de três a cinco salários mínimos, a proporção de inadimplentes cresceu de 27,4% para 28,4% no período. Na faixa de cinco a dez salários mensais, a fatia com dívidas em atraso caiu de 22,8% em junho para 21,1% em julho. No grupo mais rico, acima de dez salários mínimos, a fatia de inadimplentes aumentou de 13,8% para 14,3%.

Modalidade de contas a vencer

A pesquisa mostrou ainda que 85,9% dos endividados tinham contas a vencer no cartão de crédito, ante uma fatia maior em junho, de 87%. O resultado representa a primeira queda nessa modalidade de endividamento em seis meses, para o menor nível desde fevereiro. Houve leve redução também nas menções a dívidas no cheque especial (de 4,2% em junho para 4,1% em julho) e no crédito consignado (de 5,2% para 5,1%).

Segundo a CNC, a proporção de endividados caiu em 13 das 27 Unidades da Federação na passagem de junho para julho, com destaque para as reduções no Distrito Federal (-2,6 p.p.), São Paulo (-2,0 p.p.), Tocantins (-1,8 p.p.), Amapá (-1,6 p.p.) e Bahia (-1,2 p.p.).

Já o volume de pessoas com dívidas aumentou em outros 13 estados, especialmente no Sergipe (3,6 p.p.), Piauí (2,7 p.p.) e Ceará (2,7 p.p.). No Espírito Santo, a fatia de endividados permaneceu estável.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes