Cai emissão de empréstimos de bancos da China, em sinal de demanda fraca por crédito

Bancos da China emitiram um montante abaixo do esperado de novos empréstimos em julho, em sinal de que a demanda local por crédito segue fraca, mesmo após pedido do governo para que aumentem os empréstimos a empresas e famílias. Os novos empréstimos por bancos da China ficaram em 345,9 bilhões de yuans (US$ 47,93 bilhões) em julho, bem abaixo dos 3,05 trilhões de yuans de junho, informou nesta sexta-feira, 11, o Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês).

Economistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam recuo no mês passado devido a fatores sazonais, mas o resultado veio bem abaixo dos 800 bilhões de yuans projetados na mediana dos analistas consultados.

O financiamento social total, uma métrica mais ampla que também inclui crédito não bancário, ficou em 528,2 bilhões de yuans em julho, em forte queda frente aos 4,22 trilhões de yuans de junho, segundo os dados do PBoC. A oferta monetária M2, a mais ampla, cresceu 10,7% na comparação anual em julho, ante previsão de alta de 11,0% dos analistas. Neste caso, o avanço em junho havia sido de 11,3%, também na leitura anual.

A perda de fôlego no impulso dos empréstimos, caso continue, pode ser um fator negativo para o crescimento chinês no segundo semestre. Fonte: Dow Jones Newswires.