Governo acerta em priorizar, no novo PAC, retomada das obras interrompidas, avalia CNI

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) elogiou o lançamento do novo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), anunciado nesta sexta-feira, 11, no Rio. O programa é "um passo importante na direção do avanço da infraestrutura brasileira", disse a entidade em nota. Na avaliação da CNI, o governo acerta ao priorizar no novo PAC a retomada das obras interrompidas.

O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, afirmou ainda que as paralisações ocorrem, de modo geral, por problemas de gestão e governança. "O Brasil investe pouco em infraestrutura e parte do que investe acaba preso em obras paralisadas, que consomem recursos e não trazem benefícios para a economia ou para a população. As paralisações não são necessariamente consequência da complexidade dos empreendimentos, mas de falhas básicas na forma como o setor público executa seus projetos de infraestrutura."

Ele disse ainda que os investimentos e parcerias com o setor privado previstos no programa são imprescindíveis para a reversão do déficit de infraestrutura no Brasil. "O desenvolvimento do país exige que o setor produtivo conte com infraestrutura moderna e eficiente para que o Brasil possa competir no mercado global."

O Brasil investiu em média menos de 2% do PIB ao ano na última década - isto é, menos de R$ 200 bilhões anuais. A CNI projeta que seria preciso pelo menos dobrar esse montante de investimento no setor, por um período de duas décadas, para que o país consiga manter sua atual infraestrutura e superar os gargalos.