Opções da China para retaliação são poucas, após a proibição de investimentos dos EUA

É improvável que a China reaja à nova proibição dos Estados Unidos sobre certas empresas de tecnologia chinesas. Isso porque Pequim é limitada tanto em sua capacidade quanto em seu desejo de rebater as sanções comerciais do governo Biden, dizem os analistas.

As empresas de tecnologia americanas não dependem tanto dos investimentos chineses quanto suas contrapartes chinesas dependem do capital dos EUA. A China também está enfrentando a piora das condições macroeconômicas e a queda da confiança dos investidores, o que a torna menos inclinada a escalar um impasse econômico, dizem eles. Na frente política, Pequim também está tentando manter um degelo diplomático contínuo com Washington.

Em vez disso, é mais provável que Pequim retalie em outros domínios, como impondo mais restrições à exportação de materiais importantes sobre os quais a China tem influência e controle significativos - como terras raras ou minerais específicos.

"Esperamos que a China retalie com alguns movimentos de alto perfil, mas não escalonados", afirmou a chefe da prática de geotecnologia da empresa de consultoria de risco Eurasia Group, Xiaomeng Lu. Ela prevê que as autoridades farão julgamentos severos sobre acordos de fusão e aquisição envolvendo empresas dos EUA, ou experimentarão outras restrições chinesas de controle de exportação.

A longo prazo, a China aumentaria sua busca por substitutos para tecnologia restrita dos EUA, disse o professor associado de ciência política da Universidade Nacional de Cingapura, Ja Ian Chong, inclusive usando proxy para comprar ou investir em empresas estrangeiras que poderiam ter acesso a tais tecnologias chave.

Nesta semana, os EUA emitiram uma ordem executiva proibindo os americanos de investir em empresas chinesas que desenvolvem semicondutores avançados e computadores quânticos e exige que os investidores americanos notifiquem Washington sobre investimentos em outros tipos de semicondutores e inteligência artificial. Os limites, que entrarão em vigor no próximo ano, aumentam a corrida contínua entre os dois principais rivais sobre quem controla a próxima geração de tecnologia crítica.