Conteúdo publicado há 10 meses

Lucro contábil do BNDES alcança R$ 9,5 bi no 1º semestre; lucro líquido vai a R$ 3,7 bi

No segundo resultado sob gestão do governo Luiz Inácio Lula da Silva, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) informou nesta quarta-feira, 16, o resultado consolidado do primeiro semestre de 2023. O lucro contábil foi de R$ 9,5 bilhões no semestre, enquanto o lucro líquido foi de R$ 3,7 bilhões. As devoluções ao Tesouro em 2022 tiveram impacto negativo no lucro no semestre, apontou o diretor do banco, Alexandre Abreu.

Os desembolsos do BNDES no primeiro semestre chegaram a R$ 40,6 bilhões, um aumento de 22% em relação a igual período de 2022. Quando se acrescenta julho, o índice vai a 31%, indicando a aceleração na rubrica. "Já temos aumentando os desembolsos em infraestrutura", disse o diretor Nelson Barbosa, completando que o evento Americanas "aumentou a demanda por crédito no BNDES".

Da carteira de crédito, 56% estão em ativos verdes e desenvolvimento social, destacou Abreu. Do total dos desembolsos, R$ 7,2 bilhões foram direcionados a sequestro de carbono. Desde 2015, o BNDES ajudou a retirar 100 milhões de toneladas de carbono, equivalente a 32 anos sem carros na cidade de São Paulo. Para o plano safra, a elevação foi de 54%.

Apesar do desembolso recorde, a carteira de crédito ficou estável no primeiro semestre do ano. Já as consultas cresceram 151% no semestre, e a expectativa é de mais avanço com janela de juro mais baixo, disse Barbosa. "Com a queda dos juros, as consultas ao BNDES podem virar projetos de fato."

A carteira de ações do BNDES ficou estável em R$ 62,8 bi no primeiro semestre, comentou Abreu. Segundo o banco de fomento, a inadimplência até 90 dias ficou em 0,01%, nível em piso inédito. O Índice de Basileia fechou o semestre em 34%.

Deixe seu comentário

Só para assinantes