Cortes de juros do PBoC são insuficientes para gerar impacto na China, diz Capital Economics

A Capital Economics avalia que a abordagem do Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês) tem efeito "limitado" no quadro atual e "não é suficiente, em si ao menos, para colocar um piso no crescimento" do país. Em comentário a clientes, a consultoria lembra que mais cedo nesta segunda-feira (21) o PBoC reduziu a taxa de referência de 1 ano (LPR, na sigla em inglês) de 3,55% a 3,45%, mas manteve a LPR de 5 anos, em 4,20%.

Segundo a Capital, os cortes de juros do PBoC nos últimos dias ocorrem em meio a crescentes preocupações entre formuladores de políticas sobre a saúde da economia da China. A consultoria diz que havia ampla expectativa por um corte de 15 pontos-base na LPR de 1 ano nesta segunda, portanto a redução ficou abaixo do esperado. A Capital vê os formuladores de política ainda se importando com o câmbio, como evidenciado por intervenções recentes no mercado cambial, "mas agora eles parecem mais preocupados com a economia". Ela diz que isso "não surpreende", após índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) negativo recente, com o crescimento do crédito "extremamente contido" e estagnação na atividade e nos gastos.

De qualquer modo, o PBoC parece "adotar uma abordagem cautelosa para a política monetária", acredita a Capital. A manutenção da taxa de 5 anos sugere que o BC chinês busca um equilíbrio entre apoiar a atividade e responder a preocupações com os bancos, que sofrem com juros mais baixos e a queda na lucratividade. A Capital vê os cortes recentes do PBoC como de impacto limitado, mas avalia que deve haver outras medidas, como corte no compulsório, para relaxar mais a política. Ainda assim, a consultoria espera "apenas apoio modesto" ao crescimento do crédito e à atividade econômica mais ampla.