Mais uma alta de juros pode ser necessária antes de pico alcançado, diz dirigente do Fed

A presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de Cleveland, Loretta Mester, afirmou nesta sexta-feira, 20, que as taxas de juros podem ainda não ter atingido o pico nos Estados Unidos. "Ainda podemos estar a um aumento de atingir o pico", afirmou, em discurso no Manhattan Institute for Policy Research.

Segundo Loretta Mester, a atividade econômica norte-americana tem sido mais resiliente do que o previsto, com inflação arrefecendo, porém ainda muito alta, com pressão excessiva sobre empregos e salários.

A um dia do período de silêncio do Fed, a dirigente analisa que a política monetária terá de permanecer em níveis restritivos por muito tempo, e que o Fed vai analisar novos dados para descobrir quanto da política monetária já foi transmitido à economia, visto que o nível atual dos juros é restritivo.

Em resposta a perguntas, ela disse que, por muito tempo, o Fed subestimou a inflação nos EUA, herança da pandemia, e que só recentemente o Conselho passou a considerar cenários em que a alta de preços é persistente e duradoura. Porém, "não é possível continuar aumentando os juros sem se preocupar com os impactos de longo prazo que isso vai ter", explicou.