Conteúdo publicado há 3 meses

Starbucks: recuperação judicial é tentativa de reverter perda de licença da marca no Brasil

Além do endividamento elevado e da perda de receitas desde a pandemia, um ponto central para o pedido de recuperação judicial da SouthRock Capital foi a notificação enviada pela Starbucks Coffee International Inc à empresa brasileira, em 13 de outubro. No documento, a companhia americana declara a "imediata rescisão dos acordos de licença da Starbucks celebrados entre as partes". Ou seja, encerra o acordo com a SouthRock, fundada em 2015.

O pedido de recuperação foi feito na terça-feira, 31, e inclui uma dívida a ser renegociada com os credores da ordem de R$ 1,8 bilhão. Além do Starbucks, a empresa também controla as marcas Eataly, TGI Friday's e Subway no Brasil (essa última não foi incluída na RJ). Em nota, o grupo diz que "todas as marcas continuarão operando".

No pedido de recuperação, feito pelo escritório Thomaz Bastos, Waisberg, Kurzweil Advogados, a SouthRock pede que os efeitos da "rescisão das licenças Starbucks" sejam suspensos para garantir a manutenção das atividades e a possibilidade de reestruturação do passivo.

No documento, os advogados afirmam que a empresa vinha negociando uma repactuação das obrigações decorrentes das licenças da Starbucks, "tendo inclusive celebrado aditamentos aos referidos contratos a fim de que as condições de pagamento refletissem sua atual capacidade financeira".

"Por esse motivo, a notificação de rescisão foi recebida pelas 'requerentes' com absoluta surpresa, uma vez que a relação e as tratativas mantidas entre as partes até então jamais haviam indicado que existiria a possibilidade de rescisão imediata dos acordos", segundo o pedido de recuperação.

Pelo relato dos advogados, ao longo das últimas semanas, e mesmo depois do envio da notificação, as conversas continuaram constantes e, acreditava-se, produtivas, visando a uma solução do conflito instaurado pelo recebimento da notificação. Mas, na última sexta-feira, 27, a Starbucks Coffee Internacional encerrou as negociações, o que motivou o pedido de recuperação judicial.

O faturamento bruto obtido pelo grupo com a Starbucks supera o montante de R$ 50 milhões mensalmente e representa parcela relevante do fluxo de caixa da SouthRock. Segundo o pedido de recuperação judicial, o principal motivo para o desequilíbrio financeiro do grupo foi a pandemia e o isolamento social.

Em 2020, o grupo SouthRock teve uma queda de aproximadamente 95% nas vendas, além de ter suportado grande inadimplência por parte dos parceiros comerciais. Em 2021, a queda foi de aproximadamente 70% e, em 2022, 30%. Segundo a empresa, esse desempenho afetou o fluxo de caixa do grupo.

Em nota, a SouthRock afirmou que a recuperação vai equilibrar seu modelo de negócio à atual realidade econômica. "Os ajustes incluem a revisão do número de lojas em operação, do calendário de aberturas, de alinhamentos com fornecedores e stakeholders, bem como de sua força de trabalho tal como está organizada atualmente." Afirmou ainda que, enquanto esses ajustes estruturais são implementados, "todas as marcas continuarão operando".

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes