PMI composto do Brasil sobe a 50,3 em outubro, ante 49 em setembro, afirma S&P Global

O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto do Brasil avançou de 49 em setembro para 50,3 em outubro, retomando o nível expansionista, informou nesta segunda-feira, 6, a S&P Global. O resultado foi puxado pela alta do PMI de serviços (48,7 para 51), enquanto o índice da indústria caiu de 49 para 48,6 no período.

"O setor de serviços voltou a crescer em outubro", disse a diretora associada econômica da S&P Global Market Intelligence, Polyanna de Lima, em nota. "A expansão da atividade de serviços foi moderada quando comparada àquelas observadas no segundo trimestre, porém a mais forte registrada desde então."

Segundo a empresa, os dados do PMI de serviços mostraram captações vantajosas de novos negócios e resiliência da demanda. A S&P Global destacou que houve um "aumento moderado" de novos negócios fechados, o que gerou pressão sobre a capacidade de alguns provedores. Os negócios pendentes subiram pela primeira vez desde maio de 2022, o que levou a um aumento das contratações.

"Além de ter sido a única impulsionadora do crescimento em outubro, a economia de serviços foi uma fonte de pressões sobre os preços. Os custos agregados dos insumos subiram acentuadamente mais uma vez, e à maior medida em quatro meses, com a inflação dos preços igualmente em ascensão", disse Lima.

"Essa é uma tendência preocupante pois, caso se mantenha, poderá levar o Banco Central a suspender os cortes nas taxas de juros em um momento em que despesas e investimentos poderiam receber um incentivo com novas reduções", acrescentou a economista.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes