Haddad sobre emissão títulos sustentáveis: Foram colocados US$ 2 bi, taxa de 6,5% ao ano

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, confirmou que o Tesouro Nacional captou US$ 2 bilhões nesta segunda-feira, 13, com o lançamento dos títulos soberanos sustentáveis, a uma taxa de 6,5% ao ano, conforme mostrou mais cedo o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado). Ao comentar com a imprensa sobre a emissão, Haddad classificou o resultado como "bastante expressivo".

De acordo com o ministro, com a taxa alcançada, a operação contou com um spread implícito de 180 pontos, "típico de países com grau de investimento", disse Haddad, comparando a taxa cobrada com o que é praticado, por exemplo, pelo México.

"É um dado relevante, porque o mercado internacional reconhece o Brasil como se o país tivesse grau de investimento, está cobrando taxa de juros comparável a um país como, por exemplo, o México, que tem grau de investimento. Só para você ter uma ideia, em pouco mais de seis meses, o spread caiu de 280 pontos para 160 pontos. Então caiu bastante o spread pago pelo Brasil do primeiro semestre para cá. E esse spread pago hoje é típico de países com grau de investimento. Independente da avaliação das agências de risco, para o mercado, o Brasil é um país que tem a credibilidade de um país com grau de investimento, uma coisa importante", concluiu o ministro.

O Broadcast antecipou que o Tesouro Nacional estava monitorando o mercado externo hoje para possivelmente fazer sua primeira emissão de papéis voltados a projetos ESG (de padrões ambientais, sociais e de governança). Depois, o Ministério da Fazenda anunciou a emissão e informou que a captação é liderada pelos bancos Itaú BBA, J.P. Morgan e Santander para os títulos com vencimento em 2031.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes