China recorre cada vez mais à coerção comercial e a controle de exportações, diz von der Leyen

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, afirmou nesta quinta-feira, 16, que o bloco não pode olhar para a China apenas como um parceiro comercial ou uma potência industrial, mas também como concorrente tecnológico, uma potência militar, e um ator com uma ideia distinta e divergente da ordem global. Em discurso na Conferência Europeia da China, a dirigente apontou que a China tem recorrido cada vez mais à coerção comercial, ao boicote de produtos europeus e ao controle das exportações de matérias-primas essenciais.

"Basta pensar na recente preparação de potenciais restrições à exportação de gálio e germânio, que são essenciais para produtos como semicondutores e painéis solares. Isto mostra que, embora não queiramos dissociar-nos da China, precisamos de reduzir o risco de partes da nossa relação", afirmou a dirigente.

Além disso, von der Leyen apontou que existem grandes preocupações sobre a justiça e as vulnerabilidades de segurança no setor das tecnologias limpas, incluindo, por exemplo, os veículos elétricos. "Existe um claro excesso de capacidade na China e esse excesso será exportado. Especialmente se o excesso de capacidade for impulsionado por subsídios diretos e indiretos. É por isso que lançamos a investigação anti-subsídios sobre os veículos elétricos chineses. A Europa está aberta à concorrência. Não para uma corrida até o fundo", disse ela.

"A China tornou-se menos receptiva às empresas estrangeiras. Muitas empresas europeias na China sentem este novo clima, e 30% deles relatam uma diminuição na receita ano a ano. Quase dois terços esperam que as suas dificuldades aumentem no próximo ano. Cada vez mais, o imperativo de segurança e controlo da economia supera a lógica dos mercados livres e do comércio aberto", afirmou a presidente da Comissão Europeia. "Devemos reconhecer que existe um elemento explícito de rivalidade no nosso relacionamento. Mas esta rivalidade não tem de ser hostil. Pode ser construtivo. Portanto, devemos ser equilibrados e estratégicos na nossa resposta", concluiu.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes