Dólar à vista fecha no menor nível desde 2 de agosto com commodities e Treasuries

O dólar à vista apresentou queda superior a 1% na sessão desta segunda-feira, 20, mais do que devolvendo os ganhos da última sexta-feira, e fechou no menor nível desde o início de agosto. O dia foi marcado pelo enfraquecimento da moeda americana frente a divisas fortes e emergentes, em meio ao avanço de commodities diante da expectativa de estímulos ao setor imobiliário na China. Operadores relataram entrada de fluxo para a bolsa doméstica e internalização de recursos por parte de exportadores.

Com a agenda doméstica esvaziada, investidores trabalharam de olho na perspectiva de avanço da agenda econômica no Congresso, com possível votação do relatório do projeto de lei que taxa fundos offshore na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, amanhã, e do parecer final da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) na Comissão Mista de Orçamento (CMO), na quarta-feira, 22.

Lá fora, as atenções se voltam para a divulgação, amanhã, da ata do encontro de política monetária do Federal Reserve em 1º de novembro. Após leituras benignas de inflação nos EUA na semana passada, ganhou força a ideia de que o BC americano já encerrou seu ciclo de alta de juros. Especula-se agora com eventual início de processo de corte ainda no primeiro semestre. A semana é mais curta para o mercado dos EUA com o feriado do Dia de Ação de Graças, na quinta-feira, 23.

Em queda desde a abertura, o dólar rompeu o piso de R$ 4,85 à tarde em meio à máximas do Ibovespa e das Bolsas em Nova York, após a virada das taxas dos Treasuries mais longos para o campo negativo. Leilão do Tesouro dos EUA de papéis de 20 anos teve demanda acima da média, o que significa redução de prêmios, algo favorável a ativos emergentes. Com mínima a R$ 4,8480, a moeda fechou em baixa de 1,10%, cotada a R$ 4,8517 - menor valor de fechamento desde 2 de agosto (R$ 4,8055). A liquidez foi muito reduzida, em razão do feriado do Dia da Consciência Negra no Estado de São Paulo.

Segundo o analista de câmbio Elson Gusmão, da corretora Ourominas, não houve alterações no quadro doméstico que justificassem a apreciação do real hoje. "O mercado operou muito de olho no cenário externo. Amanhã tem a ata do Fed, e o mercado já especula uma queda de juros nos EUA para maio de 2024", diz Gusmão, ressaltando que, com a liquidez reduzida, "qualquer movimentação acaba fazendo preço." "Com a queda de hoje, podemos ver amanhã uma demanda grande de empresas por dólar para fazer remessas de lucros e dividendos. Esse patamar de R$ 4,85 é muito atrativo".

Termômetro do comportamento do dólar em relação a seis divisas fortes, o índice DXY operou em queda firme, com mínima aos 103,379 pontos. Entre divisas emergentes e de países exportadores de commodities, destaque para o peso colombiano, o real e o peso mexicano. Ontem à noite, o Banco do Povo da China (PBoC, o Banco Central chinês) deixou suas principais taxas de juros inalteradas pelo terceiro mês consecutivo. Há expectativa, contudo, de auxílio financeiro a grandes incorporadoras, amenizando a crise no setor imobiliário. O peso argentino experimentou uma leve apreciação no dia seguinte à eleição de Javier Milei à presidência da Argentina.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes