CNI: Indicador de evolução da produção cresce em outubro, mas desempenho segue fraco

O índice de evolução da produção da indústria chegou a 50,9 pontos em outubro, o que representa um crescimento de 4,5 pontos ante setembro. É o que revela a pesquisa Sondagem Industrial, divulgada nesta terça-feira, 21, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Apesar de se situar acima da linha divisória dos 50 pontos, mostrando que os empresários percebem alta da produção, a CNI faz duas ressalvas em relação ao desempenho da indústria.

Em primeiro lugar, destaca, é usual que a produção aumente na passagem de setembro para outubro. Mas a média do índice de evolução da produção para meses de outubro é de 51,6 pontos. "Portanto, a alta da produção verificada em 2023 é inferior à observada em outros anos". Além disso, afirma a entidade, a alta no índice se dá sobre um nível de produção moderado, já que ele vem alternando valores abaixo e acima dos 50 pontos desde o início do ano.

De acordo com a pesquisa, a alta da produção ficou restrita às pequenas empresas, com indicador de 50,9 pontos. O índice de evolução da produção das grandes empresas é de 49,1 pontos em outubro, mostrando queda da produção de setembro para outubro. O índice das médias empresas está em 49,8 pontos.

Segundo o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, o nível de estoques de produtos se aproximou do planejado pelas empresas em outubro. "Esse comportamento dos estoques favorece o aumento da produção na eventualidade de uma futura alta da demanda", afirma. O índice de evolução do nível de estoques de produtos finais da indústria ficou em 50,4 pontos em outubro.

A Sondagem mostra que a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) aumentou um ponto porcentual na passagem de setembro para outubro de 2023, para 71%, ficando dentro da média para os meses de outubro. "O indicador é idêntico ao da média histórica dos meses de outubro da série, o que significa que o nível da UCI se encontra dentro do usual para o período". O índice de UCI efetiva em relação ao usual ficou em 43,9 pontos, alta de 1,4 ponto em relação ao mês anterior, "o que sugere que o empresário vê o nível de UCI um pouco mais próximo do usual para o mês".

Expectativas

A Sondagem mostra que todos os índices de expectativa recuaram de outubro para novembro. Mas, mesmo com as quedas, os índices de expectativa de demanda e de compras de matérias-primas seguem acima de 50 pontos, indicando expectativas de crescimento da demanda e intenção do empresário de elevar as compras de matérias-primas.

Os índices de expectativa de quantidade exportada e de número de empregados ficaram em 49,8 pontos, ligeiramente abaixo dos 50 pontos. "Ambos índices revelam expectativas de manutenção dos níveis atuais nos próximos seis meses", avalia a CNI.

O indicador que mede a intenção de investimento da indústria subiu 1,1 ponto em novembro e está em 55,6 pontos. Assim, em novembro, o índice ficou quatro pontos acima da média histórica da série e aponta para uma intenção de investir acima do usual.

A Sondagem foi feita entre 1º e 13 de novembro, com 1.640 empresas, sendo 681 pequenas, 570 médias e 389 grandes.

Contato: sandra.manfrini@estadao.com

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes