Dólar sobe 0,96% com exterior e volta a se aproximar de R$ 4,90

O dólar à vista encerrou a sessão desta terça-feira, 21, em alta de 0,96%, cotado a R$ 4,8983, após ter registrado máxima a R$ 4,9090 à tarde, quando houve uma piora do sentimento de risco no exterior. Com o avanço de hoje, o dólar anulou boa parte das perdas de ontem, quando desceu até o nível de R$ 4,85 e fechou no menor patamar desde 2 de agosto.

Os picos da moeda à tarde vieram com nova rodada de estresse no mercado de renda fixa americana. Leilão títulos públicos atrelados à inflação (Tips) de 10 anos com demanda abaixo da média levou a uma escalada momentânea das taxas dos Treasuries longos, o que abalou as bolsas em Nova York e as divisas emergentes.

Termômetro do comportamento do dólar em relação a seis divisas fortes, o índice DXY, que já operava em alta firme, chegou a superar pontualmente a linha dos 103,700 pontos após às 16h, com a divulgação da ata encontro de política monetária do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) em 1º de novembro. Em seguida, contudo, o Dollar Index reduziu o ritmo de alta e passou a operar abaixo dos 103,600 pontos. Além disso, as taxas dos Treasuries longos trocaram de sinal, apresentando leve queda. Esse pacote reduziu a pressão sobre o real nos minutos finais da sessão e fez o dólar fechar abaixo de R$ 4,90.

Na ata, dirigentes do Fed reforçam que é preciso manter a política monetária em campo restritivo por "algum tempo" e que houve um aperto das condições financeiras nos últimos meses, em razão da alta das taxas dos Treasuries mais longos. Não faltaram os alertas de praxe à busca pela meta de inflação e à eventual necessidade de alta adicional dos juros caso o processo de desinflação não ocorra como o esperado.

Para o economista-chefe da Nova Futura Investimentos, Nicolas Borsoi, a ata apresentou um "tom cauteloso" ao sugerir espaço para mais aperto monetário. "Apesar disso, não projeto novas altas de juros. Através do tom conservador da ata, o Fed busca manter as taxas de juros em níveis restritivos, impedindo um alívio das condições financeiras, o que frustraria a desinflação atual", afirma Borsoi, em nota.

Segundo o chefe da mesa de operações do C6 Bank, Felipe Garcia, a alta do dólar no mercado doméstico hoje reflete o avanço da moeda americana no exterior, em especial na comparação com divisas emergentes. "Tivemos uma melhora na semana passada com os dados de inflação americana e atividade se acomodando. Hoje temos um dia de risk off lá fora, com o mercado 'realizando' um pouco dos ganhos", afirma Garcia, ressaltando que uma ala relevante do mercado não apenas descartou uma alta adicional dos juros nos EUA neste ano como passou a projetar início de ciclo de cortes ainda no primeiro semestre de 2024.

Com as atenções voltadas para o exterior, o andamento da pauta econômica no Congresso foi apenas monitorado. Previstas inicialmente para hoje, foram adiadas para amanhã as votações dos projetos de lei dos fundos exclusivos e offshore e das apostas esportivas na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. São dois dos projetos da equipe econômica para ampliar a arrecadação e cumprir a meta fiscal de déficit primário zero em 2024.

No evento "Fórum de Brasília", organizado pela Arko Advice, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que os esforços do governo na área fiscal têm contribuído para a gestão da política monetária. Segundo Campos neto, a continuidade de cortes da taxa Selic não deve afetar o câmbio, dado que o diferencial de juros entre Brasil e Estados Unidos continuará elevado.

Contato: antonio.perez@estadao.com

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes