Bolsas da Europa fecham em alta, após ata do BCE mostrar preocupação com crescimento

As bolsas da Europa fecharam nesta quinta-feira, 23, em alta, depois da ata da mais recente reunião de política monetária do Banco Central Europeu (BCE) reforçar a preocupação da autoridade monetária com o crescimento econômico da zona do euro e sustentar o fim do ciclo de aperto. Nesta quinta-feira, o feriado nos Estados Unidos também retirou liquidez dos mercados, em dia de bolsa fechada também em Tóquio.

No fim do pregão, em Londres, o FTSE 100 subiu 0,19%, aos 7.483,58; em Frankfurt, o DAX subiu 0,23%, aos 15.994,73 pontos; em Paris, o CAC 40 subiu 0,24%, aos 7.277,93 pontos; em Milão, o FTSE MIB teve alta de 0,28%, aos 29.235,71 pontos; em Lisboa, o PSI 20 ganhou 0,52%, aos 6.312,93 pontos. Em Madri, o IBEX subiu 0,29%, aos 9.916,30 pontos. As cotações são preliminares.

No início da manhã, o humor dos mercados europeus já era levemente positivo após o índice de gerentes de compras (PMI) composto do Reino Unido vir acima da expectativa e entrar em território expansionista, indicando avanço da economia. Também, os PMIs compostos da zona do euro e da Alemanha subiram, com o do bloco econômico ficando acima da expectativa.

Porém, os índices acionários registraram leve queda antes da divulgação da ata do BCE, em tom de cautela que durou pouco e voltou a melhorar.

Segundo o ING, a ata desta quinta-feira mostra que o BC do bloco econômico já chegou em seu pico de juros e pode cortar as taxas muito antes do que o previsto, apesar de que os dirigentes não devem assumir estes planos tão cedo, reforçando o discurso de que vão manter os juros por bastante tempo.

Como o ING indicou, os membros do BCE Joachim Nagel e Gabriel Makhlouf reforçaram que a alta de juros pode não ter chegado ao fim.

No Reino Unido, os papéis do NatWest subiram 0,49%, depois de oscilarem bastante durante o pregão, um dia após o governo do país anunciar que pretende deixar sua participação no banco e devolvê-lo completamente à iniciativa privada.

De acordo com análise do Hargreaves Lansdown, o NatWest "está preparado para se beneficiar de alguns dos ventos favoráveis estruturais, que deverão aumentar os lucros do setor no médio prazo" e melhorar o valor de suas ações, que sofreu muito em 2023.

A expectativa é que o governo britânico comece a vender suas participações neste momento, aguardando alguma melhora no valor das ações, visto que enfatizou que vai aguardar condições "favoráveis" pare vender os papéis.

Na Alemanha, investidores também monitoraram a notícia de que o ministério das Finanças suspendeu o dispositivo fiscal que freia o aumento da dívida do governo. Na esteira do congelamento, os rendimentos dos bônus alemães de 10 anos tiveram alta forte a cerca de 2,619%.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes