Não está claro se ciclo de alta de juros chegou ao fim, afirma dirigente do BCE

Dirigente do Banco Central Europeu (BCE) e presidente do BC alemão, Joachim Nagel afirmou nesta quinta-feira, 23, que não está claro se o ciclo de altas de juros chegou ao fim. Apesar de a inflação ter arrefecido em outubro na zona do euro, ele não espera que o ritmo acentuado de desaceleração perdure. "Eu prevejo que a inflação subirá alguma coisa, mesmo que os preços de energia se mantenham", afirmou o banqueiro central durante discurso em evento em Milão.

Enfatizando a postura do "higher for longer" (juros mais altos por mais tempo), Nagel falou que o conselho do BCE acredita que as taxas básicas estão em níveis que, se mantidos pelo tempo necessário, contribuirão para levar a inflação à meta de 2% ao ano.

O dirigente advertiu que cortes prematuros de juros podem vir a ser um erro, e que era preciso evitar cair nesta armadilha.

Nagel afirmou que a parte mais difícil da jornada é agora, em parte por causa da oposição do público à política restritiva. "O nosso trabalho não acabou", alertou. "O caminho à frente provavelmente será tortuoso, com altos e baixos."

Para o BCE, os principais efeitos na inflação do ciclo de aperto deverão aparecer em 2024, disse Nagel. Ele acredita, entretanto, que é possível enfraquecer a inflação sem levar a economia a um pouso forçado. "Desacelerar demanda agregada não significa necessariamente induzir recessão", argumentou. Ele falou que o mercado de trabalho continua resiliente na Itália e na Alemanha, mas que o desemprego deve subir na zona do euro. Apesar disso, deve se manter em nível baixo nos parâmetros do bloco.

Ele alertou que a zona do euro está em um momento de fraqueza econômica acentuada, acrescentando que a projeção para o avanço do Produto Interno Bruto (PIB) no quarto trimestre é "modesta". Entretanto, Nagel disse que o crescimento deve ganhar impulso na região em 2024.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes