Nos EUA, Black Friday começa mais cedo, mas consumidores estão exigentes este ano

Milhões de norte-americanos se dirigem nesta sexta-feira, 24, às lojas para aproveitar a Black Friday, mas os vendedores estão atravessando uma época em que os compradores não estão gastando tanto como nos últimos anos. Depois de dois anos de gastos alimentados pela pandemia, os executivos dizem que estão se preparando para consumidores exigentes e compras de última hora nas férias, que podem gerar descontos maiores.

No geral, espera-se que o crescimento das vendas nas férias seja fraco. Os sinais antes das festas de fim de ano, incluindo o aumento do endividamento dos consumidores e o menor número de estoques movimentados nos vagões ferroviários, mostram que as vendas podem ser mais lentas em comparação com os últimos anos, quando o regresso às lojas após o início da pandemia e o aumento das poupanças geraram gastos.

A Federação Nacional de Varejo espera que o aumento geral das vendas possa estar em linha com o ritmo mais lento observado na década que antecedeu a pandemia, de 2010 a 2019, quando o aumento médio anual nesse período foi de 3,6%.

O grupo industrial espera que os gastos de novembro a dezembro, sem incluir a inflação, aumentem de 3% a 4%. Em contrapartida, as vendas aumentaram 5,4% em 2022, 12,7% em 2021 e 9,1% em 2020.

Os gastos continuam a crescer online, uma tendência que desacelerou brevemente no ano passado, à medida que as pessoas voltavam às lojas após os primeiros anos as evitando devido à pandemia.

Em novembro, as compras online aumentaram cerca de 5%, para US$ 63,2 bilhões até 20 de novembro, em comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com dados da Adobe Analytics. Os compradores gravitaram em torno de grandes descontos em eletrônicos, brinquedos e roupas, disse a Adobe. Fonte: Dow Jones Newswires.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes