Pacheco diz que federalizar Cemig e Copasa seria forma mais ágil de pagar dívida

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse ficar honrado com as lembranças de que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sugeriu que o atual mandatário do Senado concorra para ser governador de Minas Gerais e afirmou que federalizar a Cemig e Copasa seria forma mais ágil de reduzir dúvida com a União.

Pacheco lembrou ainda que entrou na política em 2014 como deputado federal por Minas com a pretensão de ter apenas um mandato federal, mas que acabou assumindo novas responsabilidades ao longo dos anos. A declaração foi feita durante entrevista ao programa Canal Livre, da Band que foi ao ar neste domingo, 26, às 20h na Band News e terá reprise à meia noite na Band.

"Sempre tive minha vida privada, bem construída, uma profissão que eu exercia em advocacia, do que eu gosto muito, inclusive. Considero que fui muito além do que eu pretendia. Fui senador por Minas Gerais, presidente do Senado Federal por duas vezes. Eu ouso dizer que tenho uma realização na minha vida pública e política hoje que não me permite alimentar perspectivas de futuro", disse Pacheco.

"Não tenho nenhum tipo de vaidade ou uma pretensão concreta de ocupar novos cargos públicos, seja de ministro de Estado, seja de governador de Minas, embora obviamente quem diga que não tem o sonho de governar Minas sendo mineiro está mentindo", afirmou o Pacheco.

Desafio histórico

Pacheco disse que hoje Minas Gerais vive um enorme desafio, um desafio histórico, de pagar a dívida que pode tornar Minas insolvente, gerando um colapso no estado, segundo ele, lembrando que "são R$ 160 bilhões de uma dívida que se acumulou muito nos últimos cinco anos, fruto de uma liminar do Supremo Tribunal Federal [STF] que permitiu que não se pagasse a dívida durante cinco anos. Então nada foi pago durante cinco anos e montou-se esse valor estratosférico", afirmou.

"Eu propus ao presidente Lula e ao governador Romeu Zema que pudéssemos ter uma alternativa de um regime de recuperação fiscal, que envolve a federalização das estatais", afirmou Pacheco. Segundo ele, com isso, o governo de Minas entregaria suas estatais Cemig e a Copasa, além dos créditos a serem recebidos pelo município de Mariana pela tragédia do rompimento da barragem da Samarco como forma de pagar parte desta dívida de R$ 160 bilhões.

Quando questionado se seria mais interessante privatizar a Cemig e Copasa ao invés de fazer a federalização, Pacheco disse que privatizado ou não, é preciso fazer o abatimento da dívida que o Estado tem com a União. "Hoje seria mais ágil para solucionar a dúvida, mas eu disse ao governador Romeu Zema e ao presidente Lula que as partes que detém o poder definir os rumos representando cada qual seu ente federado, são eles. Nosso papel no parlamento é justamente contribuir com uma solução", disse.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes