Em Riad, Lula fala que Brasil pode sonhar em ter uma balança comercial de US$ 1 tri em 2030

Em discurso realizado em Riade, durante encerramento da Mesa Redonda Brasil-Arábia Saudita, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que sua gestão está construindo um novo jeito de fazer política externa, baseada em parcerias. A Arábia Saudita é o principal parceiro do País no Oriente Médio, com o comércio entre os dois países somando mais de US$ 8 bilhões em 2022 e mais de US$ 5,5 bilhões entre janeiro e outubro deste ano e os planos do Brasil é aumentar esse fluxo, com produtos de maior valor agregado. No pronunciamento, o presidente destacou que é possível o Brasil sonhar com uma balança comercial de US$ 1 trilhão.

"Eu acho que se o Brasil assumir a responsabilidade pelo tamanho que tem e pela importância que tem na geopolítica, eu queria dizer aos nossos ministros, aos empresários aqui, a gente pode sonhar em 2030 a gente ter uma balança comercial de US$ 1 trilhão", destacou. Entre janeiro e outubro deste ano, a balança comercial brasileira registrou um superávit de US$ 80,2 bilhões, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, com aumento de cerca de 60% em relação ao mesmo período do ano passado.

Ao falar das relações comerciais, Lula destacou que o País tem um sistema financeiro sólido, por isso as parcerias com outros países são sempre muito bem-vindas e realizadas em um ambiente estável. "Queremos gerar empregos no Brasil e também na Arábia Saudita", disse.

Discussão sobre clima

No discurso realizado em Riad, capital da Arábia Saudita, o presidente falou também dos eventos que serão sediados no Brasil em 2024, como o G20. Segundo ele, este encontro será palco de temas importantes, como o enfrentamento dos problemas do clima e do combate à miséria. Ao falar do clima, ele disse que daqui a dez anos, o Brasil será chamado de "Arábia Saudita da energia verde" e que até 2030, a meta do Brasil é chegar ao desmatamento zero.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes