Sistema financeiro internacional ainda tem sinais de vulnerabilidades localizadas, avalia BC

O Comitê de Estabilidade Financeira (Comef) do Banco Central destacou nesta quarta-feira, 29, na ata da última reunião, que o sistema financeiro internacional tem se mostrado resiliente, mas alertou que ainda existem sinais de vulnerabilidades localizadas. Na semana passada, o colegiado manteve o Adicional Contracíclico de Capital Principal relativo ao Brasil (ACCPBrasil) em 0%.

De acordo com o BC, apesar de um alívio recente, as condições financeiras mantêm-se restritivas e o aumento da volatilidade dos juros dos Estados Unidos contribui para elevar os riscos de "reprecificação abrupta" de ativos nos mercados globais.

"Após o último Comef, em um primeiro estágio as condições financeiras globais apresentaram forte deterioração com a elevação dos juros americanos de longo prazo e a apreciação do dólar que resultaram de fatores como as preocupações quanto à sustentabilidade da dívida americana em ambiente de normalização de juros e contração do balanço do Fed, dentre outros. Porém, desde o início de novembro observa-se recuo dos juros longos e depreciação do dólar, contribuindo para o alívio das condições financeiras globais", detalhou o documento.

O BC apontou que as condições gerais de crédito nos Estados Unidos têm se mantido restritivas, inclusive com contração do crédito em alguns segmentos, em especial os mais sensíveis a taxas de juros. Além disso, já há aumento de inadimplência em algumas modalidades, apesar do nível de calotes ainda ser baixo para a média histórica norte-americana.

"Nos EUA, a elevada exposição de bancos menores ao setor imobiliário corporativo, que continua sob estresse, segue sendo ponto de atenção. O acesso ao Bank Term Funding Program, linha emergencial implementada pelo Fed durante o estresse bancário do início do ano para prover liquidez a instituições que enfrentavam saídas abruptas de depósitos, continua. Algumas modalidades de crédito apresentam aumento da inadimplência, apesar dos níveis ainda serem baixos em termos históricos", destacou o documento.

O Comef enfatiza ainda que os demais bancos centrais têm atuado para manter a confiança nos sistemas financeiros. O colegiado lembra ainda que, desde a última reunião, em agosto, quase a totalidade das jurisdições manteve inalterados seus buffers contracíclicos de capital, várias delas com os buffers ativados.

"Permanecem sob análise dos reguladores americanos as propostas de medidas apresentadas para endereçar riscos de estabilidade financeira e fortalecer o capital do sistema bancário, enquanto o Fed mantém suporte por meio de linhas de liquidez. Na China, medidas têm sido tomadas com o intuito de conter efeitos sistêmicos da crise no setor imobiliário, enquanto outras foram anunciadas para fortalecer a supervisão financeira e a prevenção e resolução dos riscos financeiros", completa a ata.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes