Moody's reafirma rating da China em A1, mas altera perspectiva de estável para negativa

A Moody's reafirmou nesta terça-feira, 5, o rating de longo prazo da China em A1, mas alterou a perspectiva de estável para negativa. Em comunicado, a agência diz que a mudança decorre das evidências crescentes de que o governo e o setor público em geral terão de fornecer apoio financeiro a governos locais e regionais que enfrentam estresses financeiros, o que também deve acontecer em empresas estatais do país.

O quadro representa riscos de baixa para a força fiscal, a economia e também para a força institucional do país, considera a Moody's.

A perspectiva também reflete os riscos maiores de crescimento persistentemente mais baixo no médio prazo da economia, bem como a redução no tamanho em andamento do setor imobiliário do país, acrescenta.

Ao mesmo tempo, a agência diz que reafirmou o rating A1 como reflexo de que a China possui recursos financeiros e institucionais para gerenciar essa transição de modo ordenado, com uma economia muito grande e robusta, "embora desacelerando".

A Moody's projeta que o crescimento chinês fique em 4,0% em 2024 e que o mesmo avanço de 4,0% se repita em 2025. Entre 2026 e 2030, projeta um avanço médio do Produto Interno Bruto (PIB) de 3,8%. Com mudanças demográficas, o crescimento potencial deve desacelerar a "cerca de 3,5%" até 2030, acrescenta.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes