Fitch: bancos da América Latina permanecerão resilientes ante desafios em 2024

A Fitch Rating avalia que a perspectiva para 2024 da maior parte dos sistemas bancários da América Latina é neutra, ao passo em que métricas de qualidade dos ativos provavelmente devem estabilizar e mostrar melhora moderada durante o próximo ano. Contudo, a agência de classificação de risco alerta que os bancos latinos devem enfrentar diversos desafios, incluindo pressões sobre margens de lucros e continuidade da deterioração do setor, embora em ritmo moderado.

Em nota divulgada nesta sexta-feira, 8, a Fitch prevê que o peso das perdas de provisões de empréstimos devem arrefecer levemente, na esteira do ambiente desafiador visto em 2023. Segundo ela, este cenário resultou na deterioração da qualidade dos ativos em toda a região, porém, em magnitudes variadas. "Espera-se que os setores bancários de determinados países - que demonstraram muita resiliência em termos de qualidade de ativos ao longo de 2023 - sofram uma deterioração apenas moderada em 2024", avalia.

Para a agência, as pressões sobre o lucro dos bancos devem continuar e têm potencial de intensificação em países onde a taxa de política monetária pode reduzir significativamente em 2024, "devido ao impacto de juros baixos nas margens de lucro de grandes bancos com ampla base de depósitos de consumidores". Por outro lado, os empréstimos devem voltar a acelerar moderadamente em 2024, com maiores volumes de negócios equilibrando "parcialmente o impacto da pressão nas margens de lucro".

A Fitch também aponta que deve monitorar ao longo do próximo ano desenvolvimentos políticos e sociais que pesem sobre o ambiente operacional dos bancos da América Latina.