Passagem aérea, emplacamento, energia, cebola e plano de saúde pressionam IPCA

A pressão sobre a inflação da alta de 19,12% na passagem aérea foi parcialmente compensada pelo alívio advindo da queda de 1,69% no preço da gasolina, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de novembro, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O ranking de maiores pressões sobre o IPCA de novembro foi puxado por passagem aérea (0,14 ponto porcentual - p.p.), emplacamento e licença (0,05 p.p.), energia elétrica (0,04 p.p.), cebola (0,04 p.p.) e plano de saúde (0,03 p.p.).

Na direção oposta, os principais alívios partiram da gasolina (-0,09 p.p.), perfume (-0,03 p.p.), aparelho telefônico (-0,02 p.p.), tomate (-0,02 p.p.) e automóvel usado (-0,01 p.p.).

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes