Comitê do Fed diz estar fortemente comprometido a retornar a inflação à meta de 2%

O Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) destaca que está fortemente comprometido em atingir o nível máximo de emprego e de retornar a inflação à taxa de 2% ao longo prazo nos Estados Unidos. Ainda, indica que irá considerar os efeitos defasados das taxas e a inflação, bem como os fatores econômicos e financeiras para determinar a extensão de um eventual reforço adicional da política monetária.

"O Comitê está preparado para ajustar a orientação da política monetária conforme apropriado, caso surjam riscos que possam impedir o alcance dos objetivos", indica comunicado divulgado nesta quarta-feira.

Além disso, o Comitê ressalta que seguirá reduzindo as suas participações em títulos do Tesouro, dívida de agências e títulos garantidos por hipotecas de agências. Ainda, para determinar sua política monetária, o Fomc considerará informações incluindo o mercado de trabalho, pressões inflacionárias e expectativas, assim como desenvolvimentos financeiras e internacionais.

Projeções para dados de inflação

As medianas das projeções dos dirigentes do Federal Reserve para a inflação nos Estados Unidos medida pelo índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) caiu nos cenários estimados para 2023, 2024 e 2025, e permaneceram inalteradas para 2026 e no longo prazo.

As estimativas foram divulgadas juntamente com a decisão de política monetária da instituição.

Para 2023, a mediana baixou de 3,3% em setembro a 2,8%. A estimativa para 2024 caiu de 2,5% a 2,4%.

Para 2025, a mediana recuou de 2,2% a 2,1%. As medianas de 2026 e de longo prazo permaneceram em 2,0%.

A mediana das projeções para o núcleo do PCE (que exclui itens voláteis, como alimentos e energia) em 2023 caiu de 3,7% para 3,2%. Para 2024, baixou de 2,6% para 2,4%.

A mediana de previsão para 2025 recuou de 2,3% para 2,2%. Para 2026, se manteve em 2,0%.

Não há projeções para o núcleo do PCE no longo prazo.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora