Relator de MP da Subvenção inclui ajustes em JCP para coibir planejamento tributário

O relator da MP da Subvenção, deputado Luiz Fernando Faria (PSD-MG), incluiu em seu relatório os ajustes pedidos pelo Ministério da Fazenda no instrumento do Juros sobre Capital Próprio (JCP). Conforme mostrou mais cedo o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), a equipe econômica acreditava na inclusão do tema no texto, após topar uma proposta "light" que apenas tenta coibir a prática de planejamento tributário. Inicialmente, o plano da Fazenda era de acabar com a dedutibilidade do JCP, o que renderia R$ 10 bilhões aos cofres do Tesouro no próximo ano, segundo estimava a pasta. Com a nova sugestão, ainda não há estimativa de impacto arrecadatório.

As mudanças no JCP incorporadas no relatório da MP, divulgado nesta quarta-feira, confirmam a minuta dada mais cedo pelo Broadcast. Como norte, a proposta exclui rubricas consideradas meramente contábeis da base de cálculo do JCP - montantes que são basicamente contas de patrimônio líquido que não representam aporte efetivo dos sócios, nem reinvestimento de lucros.

Para isso, são propostas alterações na lei 9.249/1995. Em seu artigo 9º, essa legislação define que a pessoa jurídica poderá deduzir, para efeitos da apuração do lucro real, os juros pagos ou creditados individualmente a titular, sócios ou acionistas, a título de remuneração do capital próprio. O relatório acrescenta novos parágrafos para estabelecer limitações para a apuração da base de cálculo do JCP.

"§ 8º-A. Para fins de apuração da base de cálculo dos juros sobre capital próprio: I - não serão consideradas as variações positivas no patrimônio líquido decorrentes de atos societários entre partes dependentes, que não envolvam efetivo ingresso de ativos à pessoa jurídica, com aumento patrimonial em caráter definitivo, independentemente do disposto nas normas contábeis", define.

O texto ainda estabelece que deverão ser considerados, salvo nos casos em que for aplicado o parágrafo anterior, eventuais lançamentos contábeis redutores efetuados em rubricas de patrimônio líquido que não estiverem previstas na lei (parágrafo 8ª), "quando decorrerem dos mesmos fatos que deram origem a lançamentos contábeis positivos efetuados" em rubricas previstas pelo texto legal; além de valores negativos registrados em conta de ajuste de avaliação patrimonial decorrentes de atos societários entre partes dependentes.

A lei atual também define quais contas de patrimônio líquido devem ser consideradas para o cálculo de remuneração (o que está no parágrafo 8ª). São elas, capital social; reservas de capital; reservas de lucros; ações em tesouraria; e prejuízos acumulados.

No relatório, esses itens estão mantidos, mas há ressalvas para reservas de capital e reservas de lucro. Para o primeiro, a proposta restringe o alcance a duas situações ("de que tratam o § 2° do art. 13 e o parágrafo único do art. 14 da Lei n° 6.404, de 15 de dezembro de 1976"), e, no caso das reservas de lucro, faz exceção para a reserva de incentivo fiscal tratada no artigo 195-A da Lei 6.404/1976 ("A assembleia geral poderá, por proposta dos órgãos de administração, destinar para a reserva de incentivos fiscais a parcela do lucro líquido decorrente de doações ou subvenções governamentais para investimentos, que poderá ser excluída da base de cálculo do dividendo obrigatório").

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes