Cortes de juros podem ser necessários para evitar aperto excessivo, diz dirigente do Fed

A presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de São Francisco, Mary Daly, afirmou nesta segunda-feira, 18, que é apropriado que a autoridade monetária comece a olhar para a frente para a redução de juros, devido a forma como a inflação arrefeceu este ano.

Daly afirmou que sua perspectiva para as taxas de juros e a inflação estava "muito próxima" da mediana das projeções de 19 dirigentes do Fed na semana passada. A maioria deles projetou pelo menos três cortes nas taxas no próximo ano em meio a um declínio da inflação mais rápido do que o previsto. "Reconhecemos o progresso quando há progresso", disse Daly, em entrevista.

Daly acrescentou que, se a inflação sustentar a queda recente dos últimos meses, a taxa de juro de referência do Fed "ainda será bastante restritiva, mesmo se cortarmos as taxas três vezes no próximo ano".

A dirigente comentou que está observando o efeito que a política restritiva tem no mercado de trabalho. Quando a taxa de desemprego começa a subir, tende a subir muito e não apenas um pouco, disse Daly. Como resultado, "temos de olhar para o futuro e garantir que não demos estabilidade de preços às pessoas eliminando os empregos".

Daly disse acreditar que a política de taxas de juros estava em uma "boa posição" para alcançar esse resultado. Numa mudança notável, ela disse que o foco do Fed precisa agora se voltar para prestar atenção a ambos os lados do seu mandato.

"Há mais trabalho a fazer e, neste momento, esse trabalho inclui não só nos concentrarmos em reduzir a inflação para 2%, mas também reconhecer que queremos continuar a fazer isto suavemente, com o mínimo de perturbações no mercado de trabalho possível", disse ela.

Daly destacou que os cortes nas taxas seriam apropriados para evitar que as taxas ajustadas à inflação ou "reais" subissem, mantendo as taxas nominais estáveis à medida que a inflação diminui. Permitir que as taxas reais subissem criaria uma possibilidade elevada "de que poderíamos apertar demais facilmente, e é isso que estou ciente", disse Daly, que se votará nas decisões do próximo ano.

A dirigente pontuou que é muito cedo para especular em quais reuniões o Fed poderá mudar sua postura política no próximo ano. "No momento, estou realmente focada em como as coisas evoluíram em 2023", disse ela.

Embora grande parte do declínio inicial da inflação neste verão tenha resultado da recuperação da cadeia de abastecimento, os declínios mais recentes parecem ter sido impulsionados por um arrefecimento nas componentes impulsionadas pela demanda, disse ela.

Daly disse que é possível que a inflação mostre maiores sinais de persistência nos próximos meses e que as perspectivas econômicas possam mudar de uma forma que exija que o Fed mantenha as taxas mais altas por mais tempo. Por outro lado, a inflação poderá diminuir mais rapidamente ou o mercado de trabalho poderá enfraquecer de forma mais significativa do que está, justificando uma política mais frouxa, disse ela. Fonte: Dow Jones Newswires.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes