Não cabia demonização 'ridícula' do BNDES, afirma Haddad

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou na manhã desta sexta-feira, 22, que o governo tem tomado medidas para fortalecer o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), discutidas com o setor produtivo e o financeiro. "O que não cabia era a demonização ridícula do BNDES", disse, durante café da manhã com jornalistas nesta sexta-feira.

Haddad argumentou que o banco de fomento está sendo ressignificado pela gestão de Aloizio Mercadante, destacando o papel da instituição na transformação ecológica, que exige financiamento de longo prazo, e o fundo para o clima, gerido pelo banco.

O ministro criticou as acusações de que havia uma chamada "caixa-preta" do BNDES e alegou que isso existe, sim, no caso do gasto tributário. "Essa é uma caixa-preta que temos de abrir", disse.

Questionado sobre o projeto de lei para modificar a Taxa de Longo Prazo (TLP) usada nos financiamentos do BNDES, Haddad disse que a proposta de Mercadante era ter linhas de crédito com bandas acima e abaixo, para que a média fosse a TLP.

O ministro também disse que a Letra de Crédito de Desenvolvimento (LCD), proposta em projeto de lei enviado pelo governo ao Congresso, terá limite de R$ 10 bilhões.

O Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira trouxe mensagem presidencial do encaminhamento do projeto que altera a lei da TLP e cria a LCD.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes