Confiança do Comércio sobe 0,2 ponto em dezembro ante novembro, para 86,7 pontos, diz FGV

O Índice de Confiança do Comércio (Icom) subiu 0,2 ponto na passagem de novembro para dezembro, para 86,7 pontos, informou nesta quinta-feira, 28, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Em médias móveis trimestrais, o indicador caiu 1,8 ponto, a quarta retração seguida.

"Após três meses de quedas consecutivas, a confiança do comércio acomoda e encerra 2023 mantendo patamar ainda pessimista e inferior ao mesmo período do ano passado. O avanço do mês foi influenciado pela melhora das perspectivas dos empresários para os próximos meses, apesar da persistente deterioração das avaliações sobre o momento", avalia Geórgia Veloso, economista do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

Conforme a economista, as expectativas positivas em relação ao futuro podem estar associadas ao provável cenário de continuidade na melhora do ambiente macroeconômico em 2024, com redução de endividamento dos consumidores e condições de crédito mais favoráveis, o que pode desencadear um aumento na demanda, contribuindo para a recuperação do setor.

Em dezembro, houve melhora na confiança em quatro dos seis principais segmentos do comércio. O Índice de Situação Atual (ISA-COM) caiu 3,9 pontos, para 85,5 pontos. O Índice de Expectativas (IE-COM) cresceu 4,3 pontos, para 88,3 pontos.

Entre os quesitos que compõem o IE-COM, o item que prevê a tendência dos negócios nos próximos seis meses deu a maior contribuição para a alta da confiança no mês, ao avançar 5,2 pontos, para 90,4 pontos. As perspectivas de vendas nos próximos meses avançaram em 3,3 pontos, para 86,5 pontos.

No ISA-COM, houve piora nos itens que avaliam a situação atual dos negócios, com queda de 2,4 pontos, para 88,2 pontos, e o volume de demanda atual, recuo de 5,2 pontos, para 83,2 pontos.

A confiança do comércio encerrou o quarto trimestre 5,1 pontos abaixo do resultado visto no terceiro trimestre. "Apesar dos sinais positivos no ambiente macroeconômico, como manutenção do ciclo de redução de juros e desaceleração inflacionária, a confiança do comércio encerra 2023 perdendo parte do que foi recuperado ao longo do ano", completou a FGV.

A Sondagem do Comércio de dezembro coletou informações de entre os dias 1º e 22 do mês.