Conteúdo publicado há 1 mês

Tebet comemora inflação dentro do intervalo da meta: 'Comida mais barata'

A ministra do Planejamento, Simone Tebet, comentou o resultado da inflação de 2023, que fechou o ano em 4,62%, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados na manhã desta quinta-feira, 11. Com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) nesse nível, a inflação ficou dentro do intervalo da meta, que era de 3,25%, com tolerância de 1,5 ponto porcentual para mais ou para menos.

"Vilã dos mais pobres, inflação de 2023 fica em 4,62% e volta para dentro do intervalo da meta depois de dois anos. Isso significa comida mais barata e mais poder de compra. Sigamos fazendo nosso dever de casa para repetir em 2024 os bons resultados da economia obtidos no ano passado, com foco no emprego, na renda e na qualidade de vida do povo", comentou a ministra em uma publicação no X (antigo Twitter).

O resultado do ano veio um pouco acima das expectativas do mercado, de acordo com o levantamento Focus, divulgada pelo Banco Central na segunda-feira, dia 8. No documento, a projeção do IPCA era de 4,47%. Além disso, o dado ficou maior do que o visto na pesquisa do Projeções Broadcast.

Este ano de 2024 será o último em que o Banco Central (BC) perseguirá uma meta de inflação anual, seguindo o modelo de meta-calendário - o centro é de 3%, com tolerância de 1,5 ponto para cima ou para baixo.

Em junho do ano passado, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, anunciou ao Conselho Monetário Nacional (CMN) que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva irá editar decreto estabelecendo uma meta contínua de inflação a partir de 2025, em substituição à atual meta-calendário.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes