Petróleo fecha em alta, com queda de estoques nos EUA e estímulos na China

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta quarta-feira, 24, após queda dos estoques de petróleo nos EUA e anúncio de medidas de estímulo pelo banco central da China para combater a espiral negativa da economia, o que deu respaldo para perspectivas de melhora da demanda pela commodity.

Os estoques da commodity despencaram mais de 9 milhões de barris na semana passada nos Estados Unidos, de acordo com relatório divulgado nesta quarta-feira pelo Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês).

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o WTI para março fechou em alta de 0,96% (ou US$ 0,72), a US$ 75,09 por barril. Já o Brent para abril negociado na Intercontinental Exchange (ICE) avançou 0,66% (ou US$ 0,52), a US$ 79,63 por barril.

Na virada do dia, o banco central da China anunciou a redução da quantidade de dinheiro que os bancos devem manter como reservas. O corte do compulsório bancário entra em vigor a partir de 5 de fevereiro, em uma medida que deverá reforçar uma frágil recuperação econômica.

Os ganhos da commodity foram intensificados após o DoE informar que as empresas de energia retiraram 9,2 milhões de barris de petróleo dos estoques, muito acima do esperado durante a semana encerrada em 19 de janeiro.

Analistas consultados pela FactSet esperavam queda dos estoques de 1,4 milhão de barris. Os estoques de gasolina subiram 4,912 milhões de barris, enquanto a projeção era de um aumento mais moderado, de 1,5 milhão barris.

Em relatório publicado nesta quarta-feira, a Fitch reiterou que vê pouco espaço para uma alta adicional em relação a sua projeção para o preço do Brent que é de US$ 80 por barril para 2024. Para a agência de análise de risco de crédito, o aumento do risco geopolítico, incluindo as recentes tensões no transporte marítimo no Mar Vermelho, manterá um prêmio geopolítico aos preços do petróleo.

No entanto, a agência de avaliação de risco de crédito reitera que vê pouco espaço para uma alta adicional em relação à sua projeção caso não ocorram perturbações significativas na produção real de petróleo ou uma escalada mais ampla de ataques a rotas mais relevantes no transporte de petróleo na região.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes