IPC-M acelera a 0,59% em janeiro, ante 0,14% em dezembro, diz FGV

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M) de janeiro acelerou a 0,59%, após subir 0,14% em dezembro, dentro do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), informou nesta terça-feira (30) a Fundação Getulio Vargas (FGV). Com o resultado, o índice acumula alta a 3,38% em 12 meses.

Seis das oito classes de despesas que compõem o indicador apresentaram aceleração nesta leitura, segundo a FGV, com destaque para Alimentação (0,55% para 1,62%), puxado por hortaliças e legumes (2,65% para 12,41%).

Também houve avanço em Educação, leitura e recreação (0,65% para 2,11%); Saúde e cuidados pessoais (-0,32% para 0,19%); Comunicação (-0,39% para -0,07%); Vestuário (0,0% para 0,16%) e Despesas diversas (0,07% para 0,10%).

Em contrapartida, registraram arrefecimento nesta leitura os grupos Habitação (0,23% para 0,16%) e Transportes (-0,15% para -0,16%).

Influências

As maiores influências de alta nesta leitura do IPC-M partiram de Curso de ensino fundamental (0,0% para 6,11%); batata inglesa (15,73% para 27,42%); curso de ensino superior (zero para 3,64%); tomate (-6,89% para 13,79%) e banana prata (11,66% para 15,71%).

Na outra ponta, puxaram o índice para baixo gasolina (-1,08% para -0,74%); aluguel residencial (0,51% para -0,88%); shampoo, condicionador e creme (1,29% para -3,64%); passagem aérea (3,10% para -0,77%) e etanol (-0,74% para -2,43%).

IPAs

Os preços ao produtor industrial recuaram 0,29% no IGP-M de janeiro, após subirem 0,24% na leitura de dezembro. No mesmo período os preços ao produtor agropecuário também arrefeceram, de 3,07% em dezembro para 0,49% neste mês.

Com o desempenho dos setores, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M) cedeu 0,09%, após elevação de 0,97% em dezembro. O IPA-M Industrial acumula queda de 3,46% nos últimos 12 meses, enquanto nos preços agropecuários a retração é de 11,68% no mesmo período.

Nas aberturas por estágio de processamento, a inflação de bens finais acelerou de 0,86% em dezembro para 1,06% nesta leitura.

Por outro lado, os bens intermediários ampliaram o ímpeto de deflação, de 0,74% em dezembro para 1,62% em janeiro, enquanto as matérias-primas brutas arrefeceram a alta de 3,06% para 0,49% no período.

As maiores influências de baixa nesta leitura do IPA-M partiram de óleo diesel (-2,88% para -10,02%), soja em grão (2,03% para -5,98%); cana-de-açúcar (0,42% para -1,51%); adubos ou fertilizantes (-2,80% para -4,45%) e açúcar VHP (-8,55% para -5,30%).

Na outra ponta, pressionaram o índice para cima minério de ferro (4,63% para 2,87%); milho em grão (11,30% para 6,22%); batata inglesa (23,42% para 35,62%); café em grão (7,12% para 4,80%) e arroz em casca (7,70% para 7,78%).

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes