Não há relação mecânica entre política monetária dos EUA e Selic, diz ata do Copom

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central voltou a dizer nesta terça-feira que não há relação mecânica entre política monetária dos Estados Unidos e a doméstica na ata da reunião da semana passada e agora divulgada. O colegiado fez uma longa análise do cenário internacional no parágrafo 6 do documento, dizendo que a conjuntura externa segue volátil, marcada por renovadas tensões geopolíticas e pelo debate sobre o início do processo de flexibilização da política monetária nas principais economias.

"O Comitê relembra que não há relação mecânica entre a condução da política monetária norte-americana e a determinação da taxa básica de juros doméstica e que, como usual, o Comitê focará nos mecanismos de transmissão da conjuntura externa sobre a dinâmica inflacionária interna", enfatizou.

Ainda sobre o ambiente global, o comitê salientou que, após reconhecer uma melhora no quadro inflacionário corrente, se deteve sobre as fontes, desafios e incertezas para o processo desinflacionário futuro. "A reversão de choques de oferta, a inflação ao produtor bem-comportada na China e nos Estados Unidos e a dinâmica recente de preços de commodities permitem extrapolar um cenário benigno para a inflação de bens", citam os membros do colegiado.

A ata ressaltou, porém, que permanece grande incerteza sobre a demanda global futura e qual a extensão do movimento residual de preços relativos entre bens e serviços que ainda poderia ocorrer. Mais recentemente, as tensões geopolíticas e a consequente elevação dos preços de fretes adicionaram incerteza ao cenário prospectivo, de acordo com o grupo. "Além disso, a própria dinâmica de crescimento econômico e do mercado de trabalho serão importantes para determinar a velocidade da desinflação de serviços."

Esses elementos, de acordo com a ata, alimentam o debate sobre a natureza das pressões inflacionarias e potencialmente sobre o ritmo de distensão monetária a ser adotado pelas economias avançadas. "Nesse contexto, e diante da volatilidade recente e da incerteza à frente no cenário internacional, o Comitê manteve a avaliação de que é apropriado adotar uma postura de cautela, principalmente em países emergentes", repete o documento.

Além disso, o Comitê disse que continuará acompanhando os diversos dados da economia global e seus respectivos canais de transmissão para a economia doméstica.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes