Correção: Petróleo fecha em alta com tensão geopolítica persistente e estímulos da China

A matéria publicada na terça-feira, 6, tinha uma incorreção na cotação do WTI no segundo parágrafo. O barril do WTI para março fechou cotado a US$ 73,31 e não a US$ 73,71, como constou. Segue o texto corrigido.

Os contratos futuros do petróleo fecharam em alta nesta terça-feira, 6, em um prolongamento dos ganhos da segunda-feira diante da tensões associadas ao conflito no Médio Oriente. O movimento reverberou ainda a revigorada do ânimo dos investidores com as perspectivas de demanda por insumos básicos pela China após o país adotar medidas com foco no mercado acionário e na demanda por bens.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do WTI para março encerrou a sessão em alta de 0,73% (US$ 0,53), a US$ 73,31. Na Intercontinental Exchange(ICE), o Brent para abril subiu 0,77% (US$ 0,60), a US$ 78,59.

A Capital Economics avalia que os preços do petróleo deverão continuar afetados pelos receios em matéria de oferta enquanto o conflito no Médio Oriente persistir.

A empresa de análise econômica pontua ainda que a demanda pela commodity também deve se beneficiar da flexibilização da política monetária na maioria das principais economias.

"Em contrapartida, esperamos novas quedas nos preços do gás natural europeu e do gás natural liquefeito da Ásia diante do contexto de ampla oferta e estoques elevados", escreveram analistas da Capital Economics.

A empresa acredita que o estímulo na China deverá pelo menos estabilizar o setor imobiliário e reforçar a procura de metais industriais este ano.

Na China, os reguladores do mercado encorajaram as empresas a conduzir recompras de ações, anunciar dividendos e a tomar outras iniciativas para impulsionar o valor dos ativos.

Para completar, a Central Huijin Investment, unidade que detém as participações do governo chinês em grandes instituições financeiras, prometeu ampliar compras de ações.

Além disso, o vice-ministro do Comércio da China, Sheng Qiuping, prometeu que promoverá um série de medidas para impulsionar o consumo doméstico em 2024, com foco no setor automotivo e em eletrodomésticos.

Em relação às perspectivas para os preços da commodity, o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) dos Estados Unidos elevou a estimativa para o valor do barril de Brent a US$ 82,42 no fim do ano, ante previsão anterior de US$ 82,00.

Para 2025, a previsão é de que o preço desacelere e termine o ano a US$ 79,48 o barril.

Segundo o DoE, o preço do petróleo deve enfrentar "pressões descendentes" mais fortes a partir do segundo trimestre deste ano, diante do crescimento dos estoques da commodity.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes