Vendas de imóveis em São Paulo subiram 10% em 2023, aponta Secovi

As vendas de imóveis residenciais novos na cidade de São Paulo subiram 10% na comparação de 2023 com 2022, totalizando 76,1 mil unidades, de acordo com pesquisa divulgada nesta quarta-feira pelo Sindicato da Habitação (Secovi-SP).

O avanço foi puxado pelos residenciais de médio e alto padrão, cujas vendas subiram 15%, atingindo 40,2 mil unidades.

Já as vendas de moradias econômicas, enquadradas no programa Minha Casa Minha Vida (MCMV), cresceram apenas 5%, para 35,9 mil unidades.

As vendas de imobiliárias movimentaram R$ 43,9 bilhões na capital paulista no ano passado, uma alta de 26% em relação ao ano anterior. O aumento no valor global vendido (VGV) foi impulsionada pela alta de 30% nas vendas de unidades de médio e alto padrão.

"Os preços dos imóveis estão subindo a um custo acima da inflação e há uma redução na oferta de novos imóveis em São Paulo", destacou o economista-chefe do Secovi-SP, Celso Petrucci, em entrevista coletiva à imprensa.

Lançamentos

A pesquisa do Secovi-SP mostrou também que os empreendimentos lançados em 2023 recuaram 3%, para 73,2 mil unidades.

Os lançamentos de imóveis de médio e alto padrão encolheram 18%, para 36,4 mil unidades, enquanto os lançamentos dentro do MCMV subiram 17%, para 36,8 mil unidades.

Em termos financeiros, os lançamentos no ano passado movimentaram R$ 44 bilhões, alta de 3%.

O presidente executivo do Secovi, Ely Wertheim, afirmou que, em 2023, o que se viu foi uma venda dos imóveis em estoque na cidade de São Paulo. Para o executivo, o mercado em 2023 ainda refletiu o cenário de juros altos do ano passado e instabilidade política por conta das eleições. "O ambiente hoje é muito mais favorável do que a um ano atrás para o mercado imobiliário."

Estoques

O estoque de imóveis novos disponíveis para venda na cidade de São Paulo (considerando unidades na planta, em obra e recém construídos) recuou 8,7% em 2023, passando de 70,8 mil em 2022, para 64,6 mil.

O estoque de imóveis de médio e alto padrão soma 39,9 mil unidades (62% do total), enquanto o de residências econômicas soma 24,7 mil (38%).

Os imóveis de médio e alto padrão levariam 12 meses para ter todo o estoque escoado na velocidade de vendas atual, enquanto no caso dos econômicos, isso seria de 8 meses.

Ao longo de 2023, a velocidade mensal de vendas ao longo (medida pelo total de unidades vendidas em relação ao estoque no período) foi de 7,5% para médio e alto padrão, uma alta perante os 6,8% de 2022. No caso dos econômicos, a velocidade foi de 11,9%, também aumentando em relação ao ano anterior.

Ely Wertheim afirmou que o movimento de venda de estoques na cidade de São Paulo, associado a redução da velocidade das vendas de imóveis de médio e alto padrão acende um alerta. "O descompasso entre a demanda por imóveis e oferta já está levando a uma alta no preço dos imóveis", explica.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes