Vendas da indústria de materiais de construção caem 2% em janeiro, diz Abramat

As vendas de materiais de construção em janeiro de 2024 tiveram queda de 2% em relação ao mesmo mês de 2023 e recuaram 1,7% em relação a dezembro. No acumulado dos últimos 12 meses até janeiro, as vendas encolheram 1,9%.

Os dados, já deflacionados, foram divulgados nesta quinta-feira pela Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Neste início de ano, a queda nas vendas foi maior no setor de materiais básicos (como areia, cimento, vergalhão, entre outros), com baixa de 2,5% em janeiro na comparação anual. Por sua vez, os materiais de acabamento apresentaram queda de 1,2% nas vendas.

Para 2024, a previsão da Abramat e da FGV é de crescimento de 2,0% no faturamento total deflacionado dos materiais de construção em relação a 2023.

Apesar do começo de ano negativo, a expectativa é de uma recuperação ao longo do ano em razão da retomada de obras públicas e de infraestrutura e do avanço de lançamentos residenciais do Minha Casa Minha Vida.

Outros fatores que aumentam a expectativa de uma recuperação são: a queda na taxa básica de juros, a manutenção da inflação sob controle e os nível crescentes de pessoas empregadas, aumentando a capacidade de consumo de materiais.

"Todos esses fatores podem contribuir para que possamos ter um ano vigoroso para nosso setor", comenta Rodrigo Navarro, presidente da Abramat, em nota.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes