Houve amplo consenso de que era prematuro discutir cortes de juros, mostra ata do BCE

Dirigentes do Banco Central Europeu (BCE) chegaram a um amplo consenso de que era prematuro discutir a possibilidade de cortes de juros na reunião de política monetária de 24 e 25 de janeiro, quando os juros básicos da zona do euro ficaram inalterados pela terceira vez seguida, segundo ata do encontro publicada nesta quinta-feira, 22.

Na ocasião, o BCE avaliou que é preciso ver mais progresso no processo de desinflação da zona do euro para que seu conselho fique "suficientemente confiante" de que a inflação se encaminha no sentido de atingir a meta oficial, que é de taxa de 2%.

Houve também uma ponderação de que esse processo ainda é frágil, aponta o documento.

Mais cedo, dados da Eurostat confirmaram que a taxa anual do CPI do bloco desacelerou levemente em janeiro, a 2,8%.

De acordo com a ata, dirigentes do BCE consideraram que o risco de cortar juros "cedo demais" é maior do que reduzi-los "tarde demais".

Também na reunião, os dirigentes previram que o BCE provavelmente reduzirá sua projeção de inflação para 2024 em março, quando serão divulgadas novas previsões para preços e crescimento econômico da zona do euro.

Foi enfatizado ainda, no encontro do mês passado, que a política monetária do BCE continua dependente da evolução dos dados econômicos.