Dólar cai com realização de lucros em meio a alívio em Treasuries e agenda fraca

O dólar opera em queda no mercado à vista na manhã desta segunda-feira, 26, em meio à agenda do dia mais fraca e o alívio nos juros dos Treasuries longos. Os investidores conduzem uma realização de lucros no câmbio, após o dólar subir 0,81% na sexta-feira, 23, a R$ 4,9930 - maior valor de fechamento desde o último dia 8 (R$ 4,9948) -, ampliando o ganho semanal acumulado para 0,52%, em fevereiro para 1,33% e neste ano, a 2,88%. No mercado de juros, as taxas oscilam bem perto da estabilidade em meio a expectativas pelo IPCA-15 de fevereiro, que será publicado nesta terça, 27.

O ajuste no câmbio acompanha a queda externa do dólar frente pares rivais e algumas divisas emergentes e ligadas a commodities, como peso mexicano, rublo e rand sul africano, em meio à aposta dos investidores de que o Federal Reserve não tem pressa e poderá iniciar o corte de juros em junho.

Nos próximos dias, a agenda econômica deverá esquentar, com a publicação também do PIB brasileiro do quarto trimestre e no acumulado em 2023, na sexta-feira, 1º/3. Nos EUA, os destaques são também o PIB, na quarta, e a inflação medida pelo PCE, que é a preferida do Federal Reserve, na quinta-feira. Vários dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) se pronunciam ainda nos próximos dias.

Mas o recuo do dólar é limitado pela fraqueza de commodities. O petróleo cedia em torno de 0,50%, e o minério de ferro perdeu 3,21% em Dalian, na China, hoje, cotado a 875 yuans por tonelada, o equivalente a US$ 121,57.

As reuniões do G20 no Brasil começam nesta segunda. O secretário do Tesouro Nacional, Rogério Ceron de Oliveira, representará o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, diagnosticado com Covid, na coletiva de imprensa para apresentação do novo hedge cambial (11h). Na coletiva, será detalhado o Programa de Mobilização de Capital Privado Externo e Proteção Cambial. O evento contará com a participação de representantes do Banco Central, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Ministério do Meio Ambiente, Banco Mundial e Embaixada do Reino Unido. Na sequência dos anúncios, a mesa técnica da coletiva será composta pelo secretário do Tesouro Nacional, Rogério Ceron, e por Rafael Lima, especialista líder em Mercado e Finanças do BID.

Às 9h39 desta segunda, o dólar à vista caía 0,22%, aos R$ 4,9830. O dólar para março cedia 0,28%, aos R$ 4,9835.