Atividade nos EUA cresce em ritmo forte, mas juros altos pesam no investimento, afirma Powell

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, diz que a atividade econômica nos Estados Unidos tem crescido "em um ritmo forte" no último ano. Em 2023, o avanço do Produto Interno Bruto (PIB) foi de 3,1%, apoiado pela demanda "sólida" dos consumidores e pela melhora nas condições de oferta, afirma ele.

Os juros elevados, porém, parecem pesar sobre os investimentos das empresas, acrescenta.

A análise está em discurso publicado na manhã desta quarta-feira no site do Fed, para a apresentação que o dirigente fará do relatório semestral de política monetária ao Congresso. A partir das 12 horas (de Brasília), Powell estará no Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Representantes.

O presidente do Fed comenta que a atividade no setor imobiliário está contida ao longo do último ano, "em grande medida como reflexo das altas taxas de hipotecas". Já o mercado de trabalho "permanece relativamente apertado", porém as condições na oferta e na demanda continuam a caminhar para um melhor equilíbrio.

Powell comentou que a forte criação de empregos tem sido acompanhada pela alta na oferta de trabalhadores, bem como pelo "ritmo forte continuado da imigração".

Se por um lado Powell menciona a incerteza de que a meta de inflação está garantida, o que faz o Fed evitar um corte antes da hora ideal, no discurso ele também menciona que demorar muito para cortar os juros "ou fazer muito pouco" poderia representar um enfraquecimento indesejado da atividade e do emprego.

Powell afirma que o Fed avaliará os dados, a perspectiva e o balanço de riscos, em suas decisões.