Comércio via canais de Suez e do Panamá teve forte queda no começo de 2024, diz FMI

O comércio pelo Canal de Suez caiu 50% e o pelo Canal do Panamá diminuiu 32% em janeiro e fevereiro, ante o mesmo período do ano passado. A informação é do Fundo Monetário Internacional (FMI), que disse que as perturbações estão afetando cadeias de suprimento e distorcendo indicadores macroeconômicos.

O tráfego reduzido na rota do Suez ocorre devido aos ataques a navios no Mar Vermelho, diz o FMI, em meio às tensões no Oriente Médio.

O canal é o caminho marítimo mais curto entre Ásia e Europa, e é por onde passa 15% do volume do comércio global. Agora, várias empresas de transporte colocaram seus navios para usar a rota do Cabo da Boa Esperança, o que, segundo o fundo, aumentou o tempo de entrega em 10 dias na média.

No Panamá, o problema seria uma dura seca que forçou autoridades a adotar restrições que reduziram, desde outubro, o ritmo das passagens dos navios pelo canal. A rota normalmente responde por 5% do comércio global, ainda de acordo com o FMI.

A instituição alerta que estatísticas de importações e exportações podem ser afetadas pelo impacto temporário da mudança de rota dos navios.

"Isso tornará mais difícil avaliar a dinâmica subjacente do comércio global e da atividade econômica nos próximos meses", diz o fundo, em uma publicação no blog oficial.