FGV: Barômetros Econômicos Globais sinalizam recuperação mais lenta da economia no 1º trimestre

Os Barômetros Econômicos Globais Antecedente e Coincidente rumaram em direções opostas em março. O Barômetro Global Antecedente registrou queda, enquanto o Barômetro Coincidente teve ligeira alta, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV).

"Os resultados sinalizam uma recuperação mais lenta da atividade econômica global no primeiro trimestre de 2024 e a perspectiva de continuidade gradual deste movimento nos próximos meses", apontou a FGV.

O Barômetro Econômico Global Coincidente subiu 0,6 ponto em março, para 92,8 pontos. O Barômetro Econômico Global Antecedente recuou 5,8 pontos, para 99,1 pontos.

"Após um período do ano passado em que a economia global exibiu resiliência e uma saudável tendência de queda das taxas de inflação, o quadro começa a se alterar neste início de 2024. Com um relativo esgotamento da fase de desinflação por normalização da oferta, as baixas taxas de desemprego nos EUA e na Europa vêm mantendo a inflação de serviços elevada e postergando o início do ciclo de redução dos juros. Na Ásia, a China exibe sinais de continuidade da fase de recuperação e o Japão enfrenta uma desaceleração mais expressiva. A região como um todo já esteve mais otimista com as perspectivas para este ano, embora seja necessário aguardar o impacto de medidas anunciadas por Pequim neste início de março, visando manter a economia chinesa aquecida", avaliou Aloisio Campelo Junior, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

O Barômetro Coincidente reflete o estado atual da atividade econômica. O Barômetro Antecedente emite um sinal cíclico cerca de três a seis meses à frente dos desenvolvimentos econômicos reais. Os dois indicadores são produzidos pelo Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV) em colaboração com o Instituto Econômico Suíço KOF da ETH Zurique.

"A modesta alta do Barômetro Coincidente foi determinada pelas regiões do Hemisfério Ocidental e Europa, enquanto a queda expressiva do Antecedente foi motivada, quase que inteiramente, pela região da Ásia, Pacífico & África. Ambos os indicadores registram níveis inferiores a 100 pontos", ressaltou a nota da FGV.

No Barômetro Global Coincidente, a região da Ásia, Pacífico & África se manteve constante, enquanto o Hemisfério Ocidental impactou positivamente em 0,4 ponto, e a Europa, em 0,6 ponto.

"Todos os indicadores coincidentes regionais continuam flutuando na faixa dos 90 pontos, sinalizando uma recuperação ainda modesta da atividade econômica global", observou a FGV.

No Barômetro Global Antecedente, a região da Ásia, Pacífico & África contribui negativamente com -5,0 pontos, enquanto o Hemisfério Ocidental impacta em -0,5 ponto, e a Europa, em -0,3 ponto.

"O indicador da Ásia, Pacífico & África pode refletir uma calibragem no forte otimismo apresentado nos meses anteriores. De qualquer forma, o indicador da região agora volta a apresentar nível inferior aos 100 pontos, algo que não acontecia desde julho de 2023. As expectativas da Europa e do Hemisfério Ocidental também desenham uma desaceleração à frente, apesar de o indicador da última região se manter na faixa de 100 pontos", ressaltou a FGV.