Índice ABCR sobe 0,3% em fevereiro ante janeiro e acumula alta de 5,4% em 12 meses

O fluxo total de veículos pelas estradas pedagiadas do Brasil em fevereiro cresceu 0,3% comparativamente a janeiro, considerando os dados dessazonalizados. É o que mostra o índice que mede o fluxo de veículos que passa pelas praças de pedágio das estradas que operam sob concessão associadas à Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR). O índice é calculado pela equipe de economistas da Tendências Consultoria Integrada.

Na mesma base de comparação, o total de veículos leves que pagaram pedágios em fevereiro cresceu 0,9%, enquanto o fluxo de veículos de caminhões e ônibus aumentou 0,3%, também expurgados sazonais.

Comparado ao mesmo período de 2023, o índice total avançou 6,7%, determinado pelo crescimento de 5,7% de leves e, em maior magnitude, 10,2% de pesados.

Nos últimos 12 meses, o índice total acumula avanço de 5,4%, fruto do aumento de 5,8% de veículos leves e 4,3% de pesados.

"O crescimento modesto de leves em fevereiro, após queda no mês passado, reforça a análise de acomodação do índice em patamares historicamente elevados nesse início de ano, uma vez que está apenas 0,9% abaixo de dezembro de 2023, quando atingiu o maior patamar da série histórica", pontuam os economistas da Tendências Consultoria responsáveis pelo cálculo do índice, Thiago Xavier e Davi Gonçalves.

De acordo com os dois economistas, do ponto de vista econômico, há forças atuando em diferentes direções sobre as decisões de viagens a passeio das famílias.

Por um lado, ressaltam, "há os benefícios da relativa melhora das condições financeiras, diante da redução dos juros bancários e aumento das concessões de crédito para pessoas físicas, além do aquecimento adicional das condições do mercado de trabalho. Por outro lado, há as influências negativas da pressão inflacionária de alimentos e uma atenuação das transferências de renda governamentais".

"Para pesados, semelhantemente a leves, o desempenho mostra manutenção do atual nível de aquecimento, com variação apenas 0,2% abaixo de novembro do ano passado, quando atingiu o máximo histórico", destacam Xavier e Gonçalves.

Para eles, vale especial atenção à dinâmica do indicador nos próximos meses para avaliar em que medida a menor produção agrícola projetada para 2024 afetará o desempenho desse índice. Por outro lado, os setores mais sensíveis ao ciclo econômico, como comércio e indústria, atuam no sentido positivo, beneficiados pela melhora das condições financeiras, com efeitos positivos sobre o consumo de bens duráveis pelas famílias.

Estados

No Rio de Janeiro, o fluxo total demonstrou alta de 0,3% comparado a janeiro, em termos dessazonalizados. O resultado decorreu do aumento de 0,5% de veículos leves, mais do que compensando a queda de 1,1% dos pesados. Na comparação com fevereiro de 2023, o índice total registrou aumento de 4,3%. O resultado foi determinado pela alta de 3,7% de leves e 7,7% de pesados, mantida a métrica de comparação interanual.

Nos últimos 12 meses, o índice total acumula avanço de 4,1%, fruto do aumento de 4,1% de veículos leves e 4,0% de pesados.

Em São Paulo, o fluxo pedagiado total de veículos aumentou 0,9% em fevereiro em termos dessazonalizados. O segmento de leves apresentou incremento de 0,5%, enquanto pesados caiu 0,2%.

Em relação ao mesmo período de 2023, o índice total aumentou 7,5%. O fluxo pedagiado de veículos leves cresceu 6,2%, enquanto o fluxo de pesados aumentou 12,0%. Nos últimos 12 meses, o índice total acumula avanço de 5,8%, fruto do aumento de 6,1% de veículos leves e 4,7% de pesados.