Conteúdo publicado há 1 mês

Projeção do Focus de alta do PIB de 2024 passa de 1,77% para 1,78%

O Relatório de Mercado Focus divulgado nesta terça-feira (12) pelo Banco Central elevou novamente a projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2024.

A mediana para a alta da atividade deste ano passou de 1,77% para 1,78%, ante 1,60% de um mês atrás. Considerando apenas as 35 respostas nos últimos cinco dias úteis, a estimativa para o PIB no fim de 2024 passou de 1,80% para 1,90%.

Para 2025, o documento trouxe manutenção na estimativa de crescimento do PIB em 2,00%, como já está há 13 semanas. Considerando as 34 respostas nos últimos cinco dias úteis, a estimativa para o PIB de 2025 também seguiu em 2,00%.

Em relação a 2026, a mediana continuou em 2,00% pela 31ª semana consecutiva. O boletim ainda trouxe a estimativa de crescimento para 2027, que se mantém em 2,00% por 33 semanas.

A estimativa do Ministério da Fazenda para o crescimento do PIB de 2024 é de 2,2%. Já no Banco Central, a projeção atual é de avanço de 1,7% neste ano, conforme o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de dezembro.

Previsão do IPCA para 2024 passa de 3,76% para 3,77%

A expectativa para a inflação deste ano oscilou para cima no relatório: a projeção de 2024 passou de 3,76% para 3,77%. Um mês antes, a mediana era de 3,82%. Para 2025, que também está no foco da política monetária, agora já em maior grau que 2024, a projeção seguiu em 3,51%.

Considerando as 55 estimativas atualizadas nos últimos cinco dias úteis, a mediana para 2024 passou de 3,70% para 3,75%. Para 2025, a projeção seguiu em 3,50%, considerando 55 atualizações no período.

Para 2026, a projeção continuou em 3,50% pela 36ª semana consecutiva - seguindo a reancoragem apenas parcial destacada pelo BC após a manutenção da meta de inflação em 3,0% para este e os próximos anos. No horizonte mais longo, de 2027, a estimativa seguiu em 3,50%, como também está há 36 semanas.

Continua após a publicidade

As estimativas do Relatório de Mercado Focus continuam acima do centro da meta para a inflação, de 3,00%. O IPCA de 2023 ficou em 4,62%, abaixo do teto da meta (4,75%, para um centro de 3,25% no ano passado), evitando o estouro do objetivo a ser perseguido pelo BC pelo terceiro ano consecutivo, depois de 2021 e 2022.

O Comitê de Política Monetária (Copom) divulgou no fim de janeiro projeção de 3,5% para o IPCA de 2024, igual à da reunião anterior, de dezembro. Para 2025, também seguiu em 3,2%. O colegiado reduziu a Selic pela quinta vez consecutiva em 0,50 pp, para 11,25% ao ano.

Projeção suavizada

Os economistas do mercado financeiro reduziram a expectativa para a inflação suavizada para os próximos 12 meses no Relatório de Mercado Focus desta semana, de 3,60% para 3,51%, de 3,77% há um mês.

Em junho do ano passado, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, anunciou ao Conselho Monetário Nacional (CMN) que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva iria editar decreto estabelecendo uma meta contínua de inflação a partir de 2025, em substituição à atual meta-calendário.

No dia 20 de outubro, porém, Haddad confirmou que não havia previsão para publicar o decreto que regulamenta a meta de inflação contínua. Como mostrou o Estadão/Broadcast, com a chegada de mais diretores do Banco Central indicados por Lula, o decreto da meta de inflação poderia ser finalmente publicado, o que ainda não ocorreu.

Continua após a publicidade

Curto prazo

Os economistas mantiveram as expectativas de inflação de curto prazo no Relatório de Mercado Focus desta terça. A mediana para fevereiro de 2024 seguiu em 0,77%. Há um mês, a expectativa era de 0,70%. Para o IPCA de março, a estimativa continuou em 0,24%, de 0,27% um mês antes. Já para abril, a previsão para o indicador seguiu em 0,35%, ante 0,38% de quatro semanas atrás.

Previsão para Selic ao fim de 2024 continua em 9,00% ao ano; 2025 segue em 8,50%

O mercado manteve em 9,00% ao ano a mediana do Relatório de Mercado Focus para Selic no encerramento de 2024 pela 11ª semana consecutiva. Considerando apenas as 43 respostas dos últimos cinco dias úteis, a mediana para o fim de 2024 também seguiu em 9,00% ao ano.

No fim de janeiro, o Copom cortou a Selic pela quinta vez consecutiva em 0,50 pp, para 11,25% ao ano. O colegiado manteve a sinalização de que o ritmo de corte de 0,50 ponto porcentual continua sendo o mais apropriado para as próximas reuniões - no plural. Na coletiva do último Relatório Trimestral de Inflação (RTI), o presidente do BC, Roberto Campos Neto, esclareceu que essa mensagem - repetida desde agosto - vale sempre para os dois encontros seguintes a cada reunião. No caso de agora, para março, nos dias 19 e 20, e maio.

No encontro do mês passado, o Copom repetiu que a magnitude total do ciclo de flexibilização ao longo do tempo dependerá da evolução da dinâmica inflacionária, em especial dos componentes mais sensíveis à política monetária e à atividade econômica, das expectativas de inflação, em particular daquelas de maior prazo, de suas projeções de inflação, do hiato do produto e do balanço de riscos.

Continua após a publicidade

No Relatório de Mercado Focus, a projeção para a Selic no fim de 2025 continuou em 8,50%, como já está há 14 semanas. Considerando apenas as 43 respostas dos últimos cinco dias úteis, a mediana para o fim de 2025 também seguiu em 8,50% ao ano.

Para 2026, a projeção seguiu em 8,50% pela 32ª semana consecutiva. Para 2027, a estimativa também seguiu em 8,50%, onde se mantém por 31 semanas.

Previsão de déficit primário em relação ao PIB em 2024 passa de 0,78% para 0,79%

O relatório revisou a projeção de rombo fiscal de 2024. Para o déficit primário em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) deste ano, a mediana passou de 0,78% para 0,79%, de 0,80% há um mês.

A Lei Orçamentária Anual de 2024 prevê superávit de R$ 2,8 bilhões neste ano (0% do PIB). O presidente Luiz Inácio Lula da Silva já avisou que o governo "dificilmente chegará à meta zero", até porque o chefe do Executivo "não quer fazer cortes em investimentos e obras". Na última semana, ele reforçou a intenção de pedir ao Congresso liberação para gastar mais com políticas públicas, o que repercutiu mal.

Já a estimativa do Focus para o déficit nominal em 2024 seguiu em 6,90% do PIB, ante 6,80% de um mês atrás. O resultado primário reflete o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. Já o resultado nominal reflete o saldo já após o gasto com juros e outras despesas financeiras.

Continua após a publicidade

A estimativa para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB em 2024 passou de 63,74% para 63,64%, ante 63,60% de um mês atrás.

Para 2025, o déficit primário esperado pelo mercado seguiu em 0,60% do PIB, onde já estava há sete semanas. O novo arcabouço fiscal aprovado no ano passado prevê uma meta de superávit primário de 0,5% do PIB no próximo ano.

O déficit nominal projetado para 2025 seguiu em 6,30% do PIB, ante 6,29% de um mês atrás. Já a estimativa para a dívida líquida seguiu em 66,50% do PIB, ante 66,25% de quatro semanas antes.

Previsão para câmbio em 2024 continua em R$ 4,93; 2025 segue em R$ 5,00

A estimativa para o câmbio no fim de 2024 seguiu em R$ 4,93, ante R$ 4,92 de um mês antes. Para 2025, a mediana continuou em R$ 5,00, mesmo nível de nove semanas atrás. A projeção anual de câmbio publicada no Focus é calculada com base na média para a taxa no mês de dezembro, e não mais no valor projetado para o último dia útil de cada ano, como era até 2020. Com isso, o BC espera trazer maior precisão para as projeções cambiais do mercado financeiro.

Deixe seu comentário

Só para assinantes