K+S tem receita 34,4% menor no 4º trimestre de 2023, de 974 milhões de euros

A companhia alemã de fertilizantes K+S registrou receita de 974 milhões de euros (cerca de US$ 1,066 bilhão) no quarto trimestre de 2023, recuo de 34,4% ante 1,484 bilhão de euros (cerca de US$ 1,62 bilhão) registrados em igual período de 2022. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) perdeu 71% no trimestre, de 559,2 milhões de euros para 162,1 milhões de euros.

Analistas da Vara Research esperavam perdas maiores, com perspectiva de receita de 954,4 milhões de euros e Ebitda de 145,1 milhões de euros. Na Divisão de Agricultura, o faturamento caiu 38,8%, para 682,2 milhões de euros no quarto trimestre de 2023.

Em todo o ano de 2023, a companhia registrou baixa de 31,8% na receita ante o ano anterior, para 3,87 bilhões de euros. O Ebitda recuou 70,6% para 712,4 milhões de euros na comparação anual. No segmento de Agricultura, as receitas perderam 39,1% no ano, para 2,72 bilhões de euros.

Para 2024, a companhia disse estar otimista com o equilíbrio da oferta e da demanda no mercado de potássio, após "distúrbios" dos últimos dois anos.

A K+S afirmou que prevê um Ebitda entre 500 milhões de euros e 650 milhões de euros, assumindo uma recuperação dos preços no exterior, com volume de vendas de 7,6 milhões de toneladas no segmento de agricultura.

Contudo, o limite inferior do Ebitda pode ser atingido caso os preços do cloreto de potássio no Brasil permaneçam no nível do final de fevereiro de 2024 e afetem outras regiões, com volume de vendas de fertilizantes previsto em 7,3 milhões de toneladas, disse.

O fluxo de caixa livre ajustado deve, ao menos, atingir o ponto de equilíbrio, afirmou.

Os resultados da K+S parecem encorajadores e a empresa adotou um tom positivo no início do ano, escreveram os analistas da Citi, Ranulf Orr e Omi Pallavi, em nota. "Dada a melhoria na demanda que impulsionou uma sólida recuperação de lucros, juntamente com os preços dos grãos ainda em níveis elevados e a economia agrícola favorável, o cenário parece estar preparado para que os lucros continuem a subir no primeiro trimestre", disseram.