Bolsas da Europa fecham entre altas e baixas, com variações contidas; Paris cede após recorde

As bolsas europeias fecharam perto da estabilidade nesta segunda-feira, 18, com altas ou quedas leves, à medida que a cautela diluiu o impulso visto mais cedo quando dados melhores do que o esperado da China ajudaram a manter um clima mais positivo. A semana é marcada por inúmeras reuniões de Bancos Centrais, incluindo a do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) na quarta-feira. Em Paris, o índice referencial CAC-40 caiu, após renovar patamares históricos em sucessivos pregões da semana passada.

O CAC 40, de Paris, fechou em queda de 0,20%, aos 8.148,14 pontos, após ter marcado recorde histórico de fechamento, aos 8.164,35 pontos, na sexta-feira. O DAX, de Frankfurt, teve variação positiva de 0,01%, fechando aos 17.939,21 pontos, sem se distanciar do recorde de fechamento de 17.965,11 pontos marcado na semana passada. Em Londres, o índice FTSE 100 encerrou em baixa de 0,06%, aos 7.722,55 pontos.

Nesta semana, o Fed, o Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) e o Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) farão anúncios de política monetária. A expectativa é que Fed e BoE deixem seus juros básicos inalterados. Já o BoJ deverá acabar com sua política de juro negativo, adotada há mais de oito anos, segundo economistas.

Entre as ações de destaque no pregão desta segunda-feira na Europa, as da Alstom saltaram 6,13% em Paris. O Deutsche Bank elevou a recomendação para a ação da empresa de manter para compra, citando progresso no programa de desalavancagem, que deve reduzir o endividamento líquido para zero em março de 2026.

Em Londres, aBritish American Tobacco foi a maior alta porcentual do FTSE-100, subindo 2,54%. A maior empresa de tabaco do mundo vai iniciar recompra de ações no valor de 1,6 bilhão de libras.

Ainda em Londres, a Reckitt Benckiser subiu 1,96% em recuperação parcial do tombo de cerca de 17% de sexta-feira. A empresa está confiante de que pode anular o veredicto, de sexta-feira, sobre uma fórmula infantil, pois acredita que o tribunal de Illinois não forneceu evidências de que seus produtos causaram um problema intestinal, disseram os analistas da RBC Capital Markets, James Edwardes Jones e Emma Letheren, em nota após uma ligação com executivos da Reckitt.

A Justiça de Illinois ordenou que a Mead Johnson, uma unidade da Reckitt Benckiser, pague US$ 60 milhões à mãe de um bebê prematuro que morreu de uma doença intestinal após ser alimentado com a fórmula infantil Enfamil.

O índice FTSE MIB terminou estável em 33.940,96 pontos. O Ibex-35, de Madri, cedeu 0,01%, aos 10.597,00. Em Lisboa, o PSI 20 avançou 0,65%, encerrando o dia em 6.170,73 pontos.

*Com informações da Dow Jones Newswires