CEO da United Airlines assegura foco em segurança, após incidentes com aviões da Boeing

O CEO da United Airlines, Scott Kirby, tomou a medida incomum de escrever aos clientes para assegurar que a companhia aérea está focada na segurança, após uma série de incidentes recentes envolvendo aviões da Boeing.

A ação da United Airlines chegou a cair mais de 1% no período da manhã desta segunda-feira, antes de se recuperar parcialmente. Às 14h35 (de Brasília), a ação da empresa recuava 0,25% e a da Boeing perdia 1,34% em Nova York.

O incidente mais recente ocorreu na sexta-feira, quando um jato da Boeing 737-800 - modelo com mais de 25 anos de idade - perdeu um painel externo durante voo da United Airlines com destino a Medford, Oregon. Em 7 de março, uma roda caiu de um avião da United, modelo Boeing 777, ao decolar em São Francisco e danificou veículos no estacionamento de funcionários do aeroporto. No dia seguinte, outro avião da United, modelo Boeing 737 MAX, caiu na grama ao dobrar a esquina de uma pista de taxiamento em Houston.

Embora não tenham relação entre si, quero que saibam que esses incidentes chamaram nossa atenção e aumentaram nosso foco em segurança, escreveu Kirby, em nota enviada a clientes nesta segunda-feira. A United analisará os detalhes de cada caso para informar o treinamento e os procedimentos de segurança, disse ele.

A Administração Federal de Aviação (FAA, na sigla em inglês) dos EUA também anunciou que está investigando os incidentes, como normalmente faz.

Na sexta-feira, a Bloomberg noticiou que a United Airlines está próxima de adquirir 36 aviões ou mais produzidos pela Airbus, concorrente da Boeing, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. Os jatos Airbus A321neo substituiriam pedidos atrasados do Boeing 737 Max 10, com entregas entre 2025 e 2027.

*Com informações da Dow Jones Newswires