Bolsas da Europa fecham em alta e Frankfurt crava novo recorde; Repsol sobe após joint venture

As bolsas europeias fecharam em alta nesta terça-feira, com o otimismo reforçado por um dado alemão de confiança melhor do que o previsto, o que deixou o caminho livre para o índice DAX, da Bolsa de Frankfurt, estender a série de renovações de recordes de fechamento. O noticiário corporativo também foi intenso. As ações da Repsol subiram em Madri após a petrolífera espanhola alinhavar acordo com a Bunge para a criação de uma joint venture de combustíveis renováveis na Espanha. O Casino derreteu em Paris após anúncio de reestruturação de dívida embutir forte diluição na fatia dos acionistas.

Em Frankfurt, o DAX subiu 0,76%, com o índice referencial alemão estendendo o movimento de renovação de máximas, ao fechar em 18.399,23 pontos. Em Londres, o índice FTSE 100 encerrou com alta de 0,17%, aos 7.930,96 pontos. O CAC 40, de Paris, avançou 0,41%, aos 8.184,75 pontos, e segue perto do recorde de fechamento de 8.201,05 cravado no dia 19 de abril. As cotações são preliminares.

Na Alemanha, o índice GfK de confiança do consumidor para abril subiu para -27,4 pontos, superando as expectativas, embora ainda seja forte o desconforto em relação à perspectiva da maior economia da Europa.

Em Madri, a ação da Repsol subiu 0,59%, ainda que tenha desacelerado das máximas do dia, após a petrolífera espanhola anunciar um acordo com a Bunge para a criação de uma joint venture de combustíveis renováveis na Espanha. A notícia sobre o negócio é positiva, mas "pequena demais para movimentar as ações", segundo o analista do banco Renta4, Pablo Fernández de Mosteyrín. A estratégia representa um passo em direção aos objetivos da empresa espanhola de energia e aumenta sua visibilidade, disse a Renta 4 em nota. O índice Ibex-35, referencial da bolsa espanhola, ganhou 0,36%, fechando aos 10.991,50 pontos.

Em Paris, o Casino Guichard-Perrachon despencou 44,87%, depois de a rede de supermercados confirmar que planeja completar a reestruturação de dívida ainda nesta semana, por meio de profunda diluição de ativos entre os acionistas atuais.

Ainda no front corporativo, a Ocado saltou 2,74% em Londres, após o grupo de distribuição de alimentos divulgar sólido aumento de receita no primeiro trimestre. Por outro lado, o papel da Revolution Bars despencou 50,3% no mercado inglês, após a operadora britânica de bares revelar que estuda a venda de suas operações na íntegra ou parcialmente.

As ações da Maersk cederam 2,64% em Copenhague após a companhia dinamarquesa confirmar, em comunicado, que o navio que colidiu com uma importante ponte em Baltimore, no EUA, era fretado pela empresa e transportava carga de seus clientes.

Em Milão, o FTSE MIB subiu 0,14%, aos 34.688,17 pontos. Em Lisboa, o PSI 20 ganhou 0,37%, fechando aos 6.222,03 pontos.

*Com informações da Dow Jones Newswires