Não está em discussão mudança do arcabouço fiscal, diz secretário-executivo do Planejamento

O secretário-executivo do ministério do Planejamento e Orçamento, Gustavo Guimarães, reforçou nesta quarta-feira, 3, o compromisso do governo em entregar a meta de zerar o déficit das contas primárias em 2024. Ele também assegurou que não há discussões neste momento para mudar o arcabouço fiscal, incluindo o limite de despesas fixado pela regra.

"Não está na mesa, o arcabouço foi construído agora", disse o secretário durante participação no fórum promovido pelo Bradesco BBI.

Ele afirmou que a pasta fez reuniões com o ministério da Fazenda para que o "plano de voo" da política fiscal continue como foi prometido.

Durante o fórum, onde dividiu um painel com o secretário-executivo da Fazenda, Dario Durigan, Guimarães destacou os esforços da equipe econômica para cumprir com a meta de déficit zero, apesar do ceticismo do mercado. Defendeu ainda ser importante mostrar que não haverá mudança de paradigma na área econômica.

O secretário do Planejamento falou também da importância do controle das contas públicas para, junto com uma dívida pública mais sustentável, o País atrair investimentos e aumentar o potencial de crescimento. "Queremos seguir na trajetória de aumentar o PIB potencial. Para isso, vamos seguir trabalhando no controle das contas públicas."

Durigan, por sua vez, frisou que o governo segue insistentemente na busca por alcançar a meta de resultado fiscal. Ele reforçou que a intenção de buscar o alvo tem sido reforçada pelo ministro Fernando Haddad com diversas frentes, como o Judiciário e o Congresso.

"Nós vamos buscar atingir a meta. Atingi-la ou não é algo que muitas vezes pode nos fugir do controle", ponderou, no evento promovido pelo Bradesco BBI. "Nós estamos passando por um processo razoavelmente estável, apesar de toda a discussão", acrescentou o secretário.