Captação líquida no 1º tri é a 2ª melhor para o período nos últimos 5 anos, mostra Anbima

A indústria de fundos registrou captação líquida deR$ 105 bilhões no primeiro trimestre de 2024, uma retomada em relação aos primeiros três meses de 2023, quando a captação líquida ficou negativa em R$ 73,4 bilhões, conforme dados divulgados nesta sexta-feira, 5, pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). O saldo do período foi o segundo melhor nos últimos cinco anos, ficando atrás apenas do primeiro trimestre de 2021.

O patrimônio líquido da indústria chegou a R$ 8,7 trilhões, o que representa aumento de 15,5% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

A classe de multimercados apresentou resgate líquido de R$ 28,2 bilhões no primeiro trimestre, acompanhada pelos fundos de ações, com saída líquida de R$ 2,1 bilhões. Já a classe de renda fixa foi o destaque positivo, com captação líquida de R$ 131,7 bilhões.

Os fundos de infraestrutura tiveram entrada líquida de R$ 22,2 bilhões no primeiro trimestre, chegando a um patrimônio líquido de R$ 86,7 bilhões.

Já os fundos de investimento em cadeias do agronegócio (Fiagros) apresentaram captação líquida de R$ 149,4 milhões no primeiro bimestre de 2024, ante resgates de R$ 11,4 milhões no mesmo período de 2023.

O patrimônio líquido desse segmento chegou a R$ 34,7 bilhões em fevereiro, conforme os dados mais recentes disponibilizados.

Deixe seu comentário

Só para assinantes