Bolsas de NY fecham sem sinal único, com expectativas por divulgação do CPI de março

As bolsas de Nova York fecharam sem sinal único nesta terça-feira, 9, em uma sessão com grande expectativa pela divulgação do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) americano de março, que ocorrerá nesta quarta-feira. As indicações sobre a inflação no país são aguardada para fortalecer os prognósticos sobre a postura da política monetária do Federal Reserve (Fed) ao longo deste ano.

O índice Dow Jones encerrou a sessão em baixa de 0,02%, aos 38.883,67 pontos; o S&P 500 subiu 0,14%, aos 5.209,91 pontos. O Nasdaq valorizou 0,32%, aos 16.306,64 pontos.

"Com a Nvidia caindo mais de 3%, os investidores estavam de mau humor e podem não sair do medo até vermos os números da inflação. As previsões sugerem que veremos a taxa anual subir e isso certamente dará ao Fed o que pensar", avaliou a AJ Bell durante o pregão. A corretora aponta que o BC quer ver evidências sustentadas de queda da inflação, e isso não "parece estar no menu'. Ao final do dia o "mau humor" diminuiu, e a Nvidia acabou limitando suas perdas a 2,04%, apesar de seu segundo dia consecutivo de queda.

"Os sinais são claros para os investidores, mas muitos têm optado por ignorá-los. O fato de o Fed colocar isso em preto e branco pode ser uma pílula difícil de engolir para os investidores, então prepare-se para a turbulência no mercado esta semana", conclui. O CPI avançou 0,3% em março, na comparação com fevereiro, segundo os analistas consultados pelo Projeções Broadcast. Já na comparação anual, a expectativa é de alta de 3,4% em março, acima dos 3,2% registrados no mês anterior. O presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, afirmou hoje que não descarta a possibilidade de não haver nenhum corte de juros neste ano, a depender da força da economia e da trajetória ainda lenta da desinflação.

Entre os papéis, a Corebridge Financial, uma subsidiária da American International Group (AIG) concluiu a venda de seu negócio de seguros de vida no Reino Unido para a Aviva por 453 milhões de libras. Hoje, a AIG registrou sua maior queda diária desde maior de 2023, recuando 2,98%. Já a ação da Boeing aprofundou perdas, e caiu 1,89%, após a notícia de que a Administração Federal de Aviação (FAA, na sigla em inglês) dos EUA está investigando as denúncias de um engenheiro da fabricante de aeronaves, que disse à FAA que partes da fuselagem do modelo 787 Dreamliner são fixadas incorretamente e podem quebrar durante um voo depois de milhares de viagens.

Por outro lado, as ações da Moderna subiram 6,19%. No mês passado, a empresa anunciou que avançou com vários candidatos em fase final de ensaios clínicos, incluindo uma vacina covid-19 de próxima geração. Os papéis da companhia despencaram quando as vendas da vacina para covid-19 diminuíram após a pandemia, mas retomaram silenciosamente a sua subida, ganhando 66% nos últimos cinco meses.