Bolsas de NY fecham em baixa, com tensões geopolíticas, postura do Fed e balanços no radar

As bolsas de Nova York fecharam em forte baixa nesta sexta-feira, 12, com todas recuando mais de 1%, em um cenário de aversão a riscos no mercado. As tensões entre Israel e Irã levam cautela aos investidores, que temem as repercussões de uma escalada no conflito. O tema repercute na alta dos preços do petróleo, que acumula ganhos nas últimas semanas, e pode pressionar ainda mais a inflação americana. Neste cenário, o Federal Reserve (Fed) poderá manter seus juros elevados por mais tempo. Citando as incertezas, alguns dos principais bancos dos EUA divulgaram hoje seus balanços, que repercutiram de maneira negativa nos papéis.

O índice Dow Jones encerrou a sessão em baixa de 1,24%, aos 37.983,24 pontos; o S&P 500 caiu 1,46%, aos 5.123,41 pontos. O Nasdaq desvalorizou 1,62%, aos 16.175,09 pontos. Na semana, houve queda de 2,37%, 1,56% e 0,45%, respectivamente.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, confirmou que espera um ataque do Irã contra Israel em breve e reforçou o compromisso de Washington em apoio à defesa israelense. Questionado por repórteres após discurso durante evento em Nova York, o democrata afirmou que seguirá apoiando os aliados. "O Irã não terá sucesso", reiterou.

Segundo a Bloomberg, o presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, reiterou a sua expectativa de um corte nas taxas de juro este ano, mantendo ao mesmo tempo a flexibilidade para ajustá-las conforme necessário. "Minha perspectiva para 2024 é de um corte até o final do ano e espero que a economia continue a crescer", disse. "Acho que a inflação continuará a cair, mas muito mais lentamente do que muitos gostariam", concluiu. Pesquisa da Universidade de Michigan trouxe altas nas expectativas de inflação em 1 e 5 anos no país. Para a Capital Economics, os preços da gasolina prejudicam o sentimento do consumidor americano.

Balanços de peso do setor financeiro marcaram a manhã, no início da temporada de resultados corporativos dos três primeiros meses deste ano nos EUA. BlackRock lucrou acima do esperado no primeiro trimestre, mas a ação não sustentou ganhos do início do dia e recuou 2,87%. Já Wells Fargo exibiu queda no lucro no mesmo período e a ação caiu 0,39%. JPMorgan ampliou lucro, a US$ 13,42 bilhões, mas despesa extraordinária deixou o papel sob forte pressão (-6,47%), enquanto Citigroup recuou 1,70%, mesmo depois de lucro acima do esperado.